Ipiaú: Edifício Santa Paula; quase quarenta anos de atraso

Perspectiva ed. Maison Valle dos Rios (Santa Paula) (1)-1

Lá pelos idos de 1979 uma campanha publicitária sacudiu a opinião pública de Ipiaú e região: o primeiro passo do processo de “verticalização” da cidade modelo da Bahia com um edifício residencial no estilo das cidades de médio porte. Tão logo as obras começaram, um cartaz chamava a atenção para o fato de que haveria “um novo sol nascendo em Ipiaú” e “uma nova maneira de viver”.

O “sol” em questão era o Edifício Maison Valle dos Rios, cujo projeto de apartamentos “classe AA”, considerado na época o primeiro do gênero no interior do estado, com 16 apartamentos e vista panorâmica, visava atender a demanda dos ricos cacauicultores da região, em um momento de bonança que corria muito dinheiro no comércio de Ipiaú, devido a alta temporada do fruto de ouro do chocolate.

O projeto do prédio pronto, sonho que ficou só no papel
O projeto do prédio pronto, sonho que ficou só no papel

A responsável pelo projeto era a construtora itabunense Santa Paula, cujo nome acabou sendo dado pela população ao próprio prédio ( mais tarde apelidado de “Santa Pausa” ) prometia na campanha publicitária “qualidade maior pelo preço justo”. Não contavam com o avanço da crise, a hiperinflação e, em seguida, a vassoura de bruxa.

santa paulasolp
Material de propaganda da época. Arquivos: Elson Andrade

A “pausa” dada na construção, devido a falência do projeto, já soma quase quarenta anos, desde que o prédio começou a ser erguido. Hoje contemplamos no centro de Ipiaú uma estrutura que parece simbolizar a própria cidade, onde tem se tornado comum que grandes sonhos sejam iniciados mas nunca concluidos. É também comum a pergunta que ipiauenes ouvem quando viajam pela Bahia: “Você é daquela cidade que tem o prédio sem terminar?” Outra coisa que ouvimos muito ao longo desses quase quarenta anos foi: ” Tenho medo desse prédio cair uma hora dessas”.

santapaulapp

Uma representação própria do Santa Paula ( ou Santa Pausa, se preferir ) é de que econômicamente Ipiaú não conseguiu avançar além dos anos oitenta. Teve um momento de euforia com o minério mas depois voltou à já tradicional depressão pós cacaueira, agravada por imensas dívidas financeiras de produtores até hoje não pagas junto ao Banco do Brasil.

Na base do prédio o empresário Alex Muniz construiu o projeto do mini shopping Liberdade, que tem funcionado desde meados de 97. A torre, entretanto, segue ocupada por morcegos e antenas.

Para a grande maioria, o projeto prosseguirá pelos séculos como as pirâmides do Egito: ruínas que viraram patrimônio histórico. Para alguns sonhadores entretanto, existirá sempre a possibilidade de se ver gente morando lá dentro.

Celso Rommel / Ipiaú on Line