Ventos na Bahia podem chegar a 60 km/h, alerta Marinha

O Outono chegou nesta quinta-feira (21) com chuva e ventos na Bahia. E, segundo a Marinha do Brasil, os ventos serão intensos nesses primeiros dias da nova estação que sucede o Verão.

O Centro de Hidrografia da Marinha (CHM) afirmou, em nota, que a presença de áreas de instabilidade poderá provocar ventos fortes nas proximidades do litoral da Bahia, de direção Noroeste a Sudoeste, de até 60 km/h, com rajadas, entre a tarde de quinta-feira (21) e madrugada de sábado (23).

A Defesa Civil de Salvador (Codesal) registrou 65 ocorrências até as 11h da manhã desta quinta-feira (21), por conta das chuvas na capital baiana. Foram registrados seis deslizamentos de terra, sendo dois em Valéria, dois em Pau da Lima e dois em Cajazeiras; duas quedas de árvore no Centro e Valéria; cinco alagamentos de imóvel, 17 ameaças de desabamento; uma ameaça de desabamento de muro, 14 ameaças de deslizamento; sete árvores ameaçando cair; um incêndio; duas avaliações de imóvel alagado e oito orientações técnicas. Não há registro de feridos.

As regiões com maior quantidade de chuvas na capital foram o Centro Administrativo da Bahia (CAB), com 27,7 mm, e Nova Esperança, com 27,1 mm. Outras áreas que concentraram grande volume de chuvas foram Pituaçu (com 24 mm), Ilha de Maré (com 23,6 mm) e São Cristóvão (com 20,4). Para os próximos dois dias, o órgão prevê uma tendência de pancadas de chuvas moderadas, por vezes fortes, acompanhadas por rajadas de vento e temperatura mínima de 23º Celsius e máxima de 34º C. Há riscos para alagamentos e deslizamentos de terra.

A Codesal segue com o plantão de 24 horas, funcionando plenamente, e atendendo as solicitações pelo telefone gratuito 199. No período chuvoso, o órgão intensifica as atividades de vistoria em áreas de risco de modo a garantir a segurança da população e preservar vidas a partir da redução de desastres em áreas passíveis de deslizamentos de terra e alagamentos.

A Codesal conta com 38 pluviômetros e sete sistemas de alerta e alarme, com oito sirenes, que monitoram comunidades situadas em áreas de risco. Este sistema informa os moradores sobre o risco iminente de acidentes por meio de mensagem de texto por celular (SMS). O gerenciamento de risco climático é feito pelo Centro de Monitoramento da Defesa Civil (Cemadec), que conta com equipamentos de alta tecnologia e foi construído com um investimento de cerca de R$ 4,5 milhões.

Correio