Promotora que estabeleceu cardápio vegano em escolas baianas diz para crianças comerem carne com o próprio dinheiro

Mais de um ano após o Ministério Público da Bahia estabelecer que as escolas públicas de Serrinha, Teofilândia, Biritinga e Barrocas deveriam ter cardápio vegano, o tema voltou à tona. Isso porque a promotora Leticia Baird, criadora do programa, disse que as crianças devem comer carne “em casa com o seu dinheiro, pois aqui estamos falando de recurso público”. A afirmação controversa foi feita durante entrevista à Gazeta do Povo.

Por conta da determinação do MP, as escolas estão retirando carnes, ovos e leite do seu cardápio e substituindo por pasta de amendoim, pão vegano, carne de soja, entre outros. O objetivo é retirar da alimentação escolar, nos próximos anos, 100% de qualquer fonte de proteína animal daqueles quatro municípios baianos.

As cidades afetadas estão entre os Índices de Desenvolvimento Humano mais baixos do estado. Em entrevista ao Washington Post, a diretora do Conselho de Alimentação Escolar de Serrinha, Ariane Souza Santiago da Silva, contou que o programa “não foi uma escolha, mas uma imposição, não houve debate público, nem votos, apenas um anúncio de que as coisas iriam mudar”.

A promotora, que também é ativista e atua em defesa dos animais, é a favor da alimentação vegana para proteger o meio ambiente e reduzir custos da administração pública. “Se uma alimentação à base de vegetais é mais barata financeiramente, custa menos para o meio ambiente e fornece igual suporte nutricional, por que o governo vai ter que comprar carne?”, frisou.

“Aquecimento global tá aí, emissão de gases do efeito estufa está aí, e qual é hoje a maior fonte de degradação ambiental atrelada a aquecimento global e gases poluentes? Sistema de produção alimentar”, defendeu.

bNEWS