Promessa de melhoria no escoamento de grãos, FIOL em obras gera crescimento econômico no oeste

Promessa de melhoria no escoamento de grãos na Bahia, a Ferrovia Oeste Leste (Fiol), que está em construção desde 2011, tem gerado benefícios para o estado antes mesmo de começar a operar. As obras do sistema já produziram milhões de empregos em cidades localizadas no oeste e sudoeste do estado e, com isso, contribuem para o desenvolvimento econômico das regiões.

Um exemplo disso é a cidade de São Desidério, sede de um dos canteiros onde a obra vem sendo feita. O município é o maior produtor de grãos do país, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2019, o Produto Interno Bruto (PIB) agrícola da cidade chegou a R$ 3,63 bilhões, um novo recorde para o agronegócio baiano.

Nas ruas da cidade, que tem pouco mais de 33 mil habitantes, a expectativa dos moradores é grande. Todo mundo aposta que a ferrovia vai oferecer mais oportunidades de emprego e renda.

Com a Fiol, além do comércio, outro setor que mais vai ser beneficiado é o agronegócio que terá como exportar os grãos produzidos na região de forma rápida e com custos bem menores, garantindo uma lucratividade maior para quem é produtor agrícola no oeste baiano.

Luis Sthalke é consultor agrícola de uma das maiores associações de agricultores e irrigantes do país e não tem dúvida que com a ferrovia a atividade agrícola dará um grande salto.

Rose Cerrato é produtora rural e vê outros dois aspectos como responsáveis diretos pelo crescimento do agronegócio baiano a partir do funcionamento da Fiol: a agilidade no transporte daquilo que sai das fazendas para o futuro Porto Sul e também a redução do desperdício.

“Nós ganharíamos tempo. O que levaria cinco a seis dias para chegar ao Porto de Aratu, com certeza, em dois dias a ferrovia vai estar fazendo essa entrega até o porto”, disse.

Segundo a produtora, pelas rodovias, com caminhões, a perda de grãos e o alto do custo do combustível são entraves para que os agricultores do oeste produzam mais, com menos despesas e maior lucro.

Fronteira agrícola de destaque no país, os produtores e moradores do oeste da Bahia esperam a conclusão da Fiol para que a região cresça ainda mais e se consolide como a grande produtora nacional de grãos.

O objetivo, além de manter os atuais mercados com maior competitividade, é expandir a exportação dos produtos agrícolas da região para outras partes do mundo. Com a ferrovia, esse objetivo fica mais próximo e vai contribuir para que a Bahia do futuro tenha ainda maior sucesso econômico.

G1