“Precisam ser deportados do Brasil”, afirma diretor da Anvisa sobre jogadores argentinos

Reprodução: Agência Senado

O diretor-presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres, disse, em entrevista a TV Globo neste domingo (5), que não fará um acordo para a liberação da continuidade da partida das eliminatórias da Copa do Mundo entre o Brasil e a Argentina com os quatro jogadores argentinos que descumpriram protocolos sanitários. “Esses quatro jogadores precisam ser deportados do Brasil”, disse Torres, ao negar a possibilidade de um acordo. Segundo ele, permitir que o jogo ocorra com os atletas, contra a determinação da Anvisa seria um “absurdo”.

As declarações acontecem após agentes da Anvisa e da Polícia Federal entrarem em campo para interromper a partida das eliminatórias da Copa do Mundo entre o Brasil e a Argentina seis minutos após o início do jogo. Os quatro jogadores que ocultaram informações no formulário sanitário de entrada no país foram retirados do local.

Segundo uma nota divulgada mais cedo pela Anvisa, Emiliano Martínez, Buendía, Cristian Romero e Giovani Lo Celso não informaram que estiveram na Inglaterra anteriormente para poderem participar dos jogo no Brasil. Considerando a situação um “risco sanitário grave”, o órgão acionou a PF para deportar os atletas argentinos do país.

Após o comunicado, a Conmebol e a CBF entraram em contato com governo federal e haviam conseguido mantê-los no jogo das eliminatórias da Copa do Mundo. Os quatro jogadores sairiam do país apenas após o fim da partida.