Polícia investiga perfis em redes sociais que fazem apologia aos crimes de Lázaro Barbosa

A Polícia Civil de Goiás investiga perfis que foram criados nas redes sociais para fazer apologia aos crimes cometidos por Lázaro Barbosa, de 32 anos. Em alguns casos, internautas usam nome e fotos do criminoso associados a “matador”. Procurado por mais de 200 policiais há 11 dias, ele é suspeito de matar uma família em Ceilândia, no DF, e de cometer vários crimes em ao menos três estados.

As investigações sobre esses perfis são conduzidas pela delegada Sabrina Leles, titular da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Cibernéticos (Dercc). De acordo com ela, uma ocorrência foi registrada na sexta-feira (18) com base nas postagens feitas em uma rede. A delegada afirma que a pena por fazer, publicamente, apologia de fato criminoso ou de autor de crime é de três a seis meses de detenção, ou multa.

“A partir daquele momento que aquele perfil faz apologia, que quer exaltar, que quer ressaltar esses crimes cometidos por ele, isso se torna um crime sim e está sendo apurado”, afirmou.

A força-tarefa, com mais de 200 agentes, criada para procurar Lázaro completa neste sábado (19) onze dias de buscas. A polícia procura pelo criminoso dentro de rios e em matas. Segundo a corporação, por ser caçador, ele se esconde com facilidade.

O secretário de Segurança Pública, Rodney Miranda, disse na noite de sexta-feira (18) que acredita ter visto Lázaro durante buscas na região de Cocalzinho de Goiás. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), ele foi visto em um chiqueiro, mas fugiu novamente para vegetação.

“A visualização foi de longe. Tenho quase certeza que eu cheguei a vê-lo a 1 km de distância do outro lado de um vale. A movimentação dele foi de uma pessoa que estivesse ferida nas pernas, mas não deu para ver o resto”, informou.

Por volta das 15h40 houve uma intensa movimentação de viaturas da corporação. O secretário deixou a base de operações dez minutos depois para acompanhar as buscas e retornou para o local às 19h48. (G1)