Pastor Carlos César reflete sobre o racismo e caso de homem negro assassinado nos Estados Unidos

“Não posso respirar”

A frase acima foi pronunciada por George Floyd, vigilante negro asfixiado  por policiais brancos nos EUA. Floyd repetiu por 16 vezes, em 8 minutos e 46  segundos que não conseguia respirar. A cena reprisada milhões de vezes em todos os meios de comunicações do mundo, choca-nos e também nos deixa sem
fôlego.

Até quando viveremos num mundo racista, sem amor e sem respeito ao  próximo? O racismo é crime, e portanto, pecado de desamor. Deus ama a todos,  sem preconceito. Assim nós também devemos amar e dar dignidade a todos as  pessoas.

Também não conseguimos respirar diante de tanta desonestidade, de  tanta corrupção. Não conseguimos respirar com tamanha poluição. Não  conseguimos respirar com tanta paixão política partidária. O mundo clama por
ar puro, por oxigênio de amor.

Ainda viveremos asfixiado neste mundo enquanto não cessarem as guerras,  as pandemias, os abusos de autoridades, o privilégio de poucos em detrimento  de milhões. Não conseguimos respirar enquanto o direito for usurpado de quem  tem, em favor de quem não tem.

As últimas palavras de Floyd, infelizmente continuarão sendo proferidas  enquanto não tivermos amor, respeito e não nos importarmos com o próximo.

Roguemos a Deus por mais compaixão, por mais sensibilidade e igualdade  entre as pessoas em todo o mundo.

Pastor Carlos César Januário é coordenador espiritual da 1ª Igreja Batista de Rio Novo, Ipiaú, Bahia