Mãe de menina morta com tiro no peito em Itabuna diz que filha não foi vítima de bala perdida

A mãe da menina Maikele de Jesus Santos, de 7 anos, morta com um tiro no peito, acredita que a filha não foi vítima de bala perdida, como testemunhas relataram. Ela foi baleada durante ataque de bandidos na noite de domingo (2), em Itabuna. Outras duas pessoas também morreram na ação dos criminosos.

“É uma criança indefesa, tenho certeza que atirou porque quis. Como uma criança está sentada aqui e [tiro] não vai pegar em uma criança? Eu quero Justiça. A Justiça o soltou para ele tirar a vida de uma criança inocente”, conta a mãe, que prefere não ser identificada.

A menina era filha caçula da mulher, que tem outro filho de 16 anos. Ela relata que saiu da casa em que estavam, e ao retornar para o local, já encontrou a filha sem vida, dentro de casa.

“Falei pra ela ficar aqui que iria chamar a prima. Quando cheguei no bar, vieram dois [homens] atirando e falou para não correr ninguém. Eu me desesperei e pensei na minha filha. Minha filha sentada, eles atiraram de lá de fora. Minha filha caiu, quando cheguei, dei de cara com ela sem vida, com tiro no peito, caída”, conta.

O caso ocorreu na Rua da Bananeira, no bairro Lomanto, que fica próximo ao aeroporto da cidade. Informações levantadas pela polícia na área do crime apontam que três homens teriam chegado no local e começaram a atirar, com o objetivo de atingir as outras duas vítimas do atentado. Eles foram identificados como Romério Ferreira dos Santos, de 40 anos e Taique Silva Rodrigues, de 21 anos.

SEPULTADOS NESTA SEGUNDA-FEIRA

As três pessoas mortas foram enterradas na tarde desta segunda-feira (3), no Cemitério de Campo Santo, em Itabuna. Os familiares e amigos acompanharam a despedida de Maikele, que foi marcada por muita comoção.

De acordo com a Polícia Civil da cidade, há indicativo de autoria e motivação do crime. Contudo, nenhum dos suspeitos foram presos, até o momento. Apesar do relato da mãe, o delegado que cuida do caso, André Aragão, disse que as investigações iniciais apontam que a menina foi vítima de bala perdida.

“As vítimas em potencial eram os dois, principalmente o que tinha passagem por tráfico, mas a criança infelizmente foi alvo de bala perdida, apesar da crueldade dos criminosos. Sendo bala perdida ou não, houve um triplo homicídio, uma criança veio a óbito, e a Polícia Civil está empenhada nesse caso”, disse o delegado André Aragão.

Os corpos das vítimas foram encaminhados ao Departamento de Polícia Técnica (DPT), onde passaram por perícia. Um inquérito policial foi instaurado e a polícia tem prazo de 30 dias para finalizar as investigações. Do G1.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *