Irajuba:Alegando não ter dinheiro, prefeito recusa proposta de acordo e greve da educação continua já pelo décimo dia

 Esta terça feira 23 de Abril foi bastante movimento na cidade de Irajuba-Ba, sudoeste do estado, região vale do Jiquiriçá. tudo isso, no intuito de encontrar uma solução para a greve de docentes, iniciada no último de 15 abril por questão da falta de salários dos professores e funcionários de escolas da rede municipal de ensino, referente ao mês de março e que já se estende por dez dias.

 Durante todo o dia, várias reuniões foram feitas com as partes envolvidas, Pela manhã houve uma reunião com a presença do assessor técnico da APLB o doutor Joel Câmara, a diretora Regional professora Dilma Santana Miranda, juntamente com os diretores locais. De posse de todas as informações da folha fornecida pela secretaria de educação foi feita uma análise técnica, na qual a aplb construiu duas alternativas para apresentar a categoria e posteriormente a administração.

 Já na parte da tarde em assembleia com a categoria, doutor Joel explicou para a categoria a situação financeira atual do Fundeb, assim como as alternativas para tentar resolver a crise instalada. Para tanto, surgiram outras ideias apresentadas pela categoria e umas delas foi aprovada em assembleia. Venceu a proposta do prefeito pagar imediatamente o mês de março e parcelar abril. Após a assembleia houve audiência da aplb com o prefeito, secretário de educação e assessoria jurídica. A proposta da categoria foi apresentada e reprovada. A justificativa do poder público municipal é que com os recursos que somavam até ontem 225.000.00 , (duzentos e vinte e cinco mil reais) não daria para pagar. Assim vai esperar complementar os recursos para pagar março, porém não há uma decisão se vai continuar a dever um mês como vem acontecendo.

 Diante do exposto a categoria decidiu continuar a greve  . “O positivo em todo esse movimento em que surgiram várias ideias na audiência que há  consenso tanto pela administração quanto pela aplb em estar buscando alternativas viáveis e possíveis de serem implementadas não só  para resolver a situação atual, mas para produzir os salários do ano de 2020 e acabar com os transtornos que estão sendo causados para a categoria e também alunos e pais, audiências estarão  acontecendo nesse final de semestre e no final surgirão relatórios que serão apresentados para todos com as conclusões finais” garantiu o professor José Carlos, presidente da aplb sindicato.

 Vale ressaltar que, às greves de professores por este motivo no governo Jerônimo já somam três paralisações e algumas outras tentativas que houveram, principalmente em meados do letivo 2018, quando em agosto do ano citado os professores ameaçaram parar as atividades alegando 3 meses de atrasos, pagos sob a expectativa de frustrar mas um escândalo com a classe por falta de salário o que levou aos mesmos desistirem da manifestação. Desta vez, a greve continua após tal decisão e o pior “sem previsão de acabar” disse um professor.

Fonte:Blog piraí notícias