Ipiaú: A detenção do comerciante e o complicado problema social gerado pela pandemia

 

Quem não poderia dar razão ao comerciante popularmente conhecido como Cascata, proprietário de uma tradicional lanchonete na Praça Rui Barbosa, no momento em que foi detido quando trabalhava para ganhar o seu pão e pagar as suas contas?

A detenção aconteceu na noite de sexta-feira (26), quando Cascata foi abordado por prepostos da Polícia Militar no momento em que comercializava lanches em um veículo durante o horário do toque de recolher.

Um vídeo (confira abaixo), que circula nas redes sociais causando muita polêmica, mostra o rapaz no momento da sua detenção, quando afirma que é trabalhador honesto e não terá como pagar suas contas, ao tempo em que denuncia supostas medidas arbitrárias das autoridades.

Quem poderá honrar com os compromissos assumidos por um comerciante que é obrigado a fechar para evitar a disseminação da covid-19, mas que não tem outras fontes para quitar contas de água, luz e comprar alimentos para sua família?

Por outro lado como condenar a disposição dos governantes que tentam parar a mortandade precoce de milhares de pessoas todos os dias através de medidas impopulares de distanciamento?

Olhando com um pouco mais de tolerância, pode-se perceber que os dois lados estão certos. O único errado nessa história é o vírus, que na sexta-feira (dia em que aconteceu a detenção do comerciante) fez no Brasil 3.600 vítimas fatais em 24 horas, em mais uma sequência de horrores desta que de longe já é a maior tragédia da história do país.

Em um momento extremamente difícil, tanto econômica quanto psicologicamente, os ânimos ficam acirrados e, às vezes, faltam palavras mas respeitosas que poderiam evitar o confronto.

Enquanto seguem acontecendo cenas que jamais deveriam acontecer, se não fosse pela ocorrência de uma pandemia que sacode o mundo inteiro, fica cada vez mais claro que a única esperança de normalização é a vacinação em massa.

Até lá é preciso paciência e fé em Deus.

Celso Rommel / Ipiaú Online