Inflação tira carne, leite e óleo do carrinho de supermercado do brasileiro

O carrinho de supermercado dos brasileiros sofreu grandes alterações com a inflação de mais de 12% acumulada no último ano.Produtos básicos como leite, óleo e carne sumiram da lista dos consumidores, em comparação com abril do ano passado, conforme mostra um levantamento da empresa de inteligência de mercado Horus.

A partir da análise de 35 milhões de notas fiscais em todo o Brasil, a Horus verificou que, no mês passado, o leite estava presente em 14,2% dos carrinhos.

Em abril de 2021, essa incidência era 1,7 ponto percentual maior, de 15,9%. No mesmo período, o preço médio do litro passou de R$ 4,29 para R$ 7,25 —um aumento de quase 69% em um ano, ainda de acordo com a pesquisa.

O mesmo ocorre com o óleo, que passou de 7,1% para 6% em um ano, e a carne bovina, de 5,9% para 5,3%. Ao mesmo tempo, o valor médio do litro de óleo foi de R$ 9,60 para R$ 16,81 (+75,1%), enquanto o quilo da carne saltou de R$ 29,66 para R$ 31,47 (+6,1%).

Segundo Luiza Zacharias, diretora de Novos Negócios da Horus, o preço dos alimentos tem dificultado a situação dos brasileiros. “A inflação está muito difusa, muito espalhada nos produtos. Vai ficando uma situação difícil para o consumidor, porque vai atingindo aqueles produtos mais básicos. Está tudo muito caro”, disse ao UOL.

Zacharias ainda explica que enquanto as famílias mais pobres estão comprando menos produtos, aquelas com mais recursos têm preferido fazer estoque, adquirindo determinados itens em grande quantidade e de uma só vez, para se proteger da inflação. “Quem está com dinheiro muito curto vai reduzindo a quantidade e a frequência de consumo de alguns itens, porque a renda não comporta o mesmo que comportava há um ano. Ao mesmo tempo, as famílias que têm uma condição um pouco melhor voltaram a fazer aquela compra do mês que se fazia antigamente, para fugir um pouco da inflação”, analisa a especialista.