Força-tarefa vai investigar se Lázaro agiu a mando de fazendeiros

A força-tarefa mobilizada para capturar Lázaro Barbosa Sousa, de 32 anos, vai seguir com o trabalho mesmo após a morte do fugitivo nesta segunda-feira. Os policiais vão se dedicar, agora, a entender se ele agia a mando de proprietários de terras.

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado, chegou a dizer que o foragido não era um “lobo solitário”. As novas diretrizes das polícias Civil e Militar do estado foram explicadas por Caiado em entrevista nesta segunda à rádio CBN.

O primeiro objetivo é descobrir “como é que o Lázaro estava com R$ 4,5 mil no bolso” quando foi encontrado. O governador também destacou que ele estava conseguindo se alimentar e “ter informações”, o que indica que houve a ajuda de outras pessoas.

Entenda

Lázaro Barbosa, suspeito de ter assassinado uma família em uma chácara em Ceilândia, no Distrito Federal, baleado fazendeiros, ter feito uma família de refém mobilizou equipes das polícias civil e militar da capital federal e de Goiás, além da Polícia Federal em uma caçada de 20 dias.

De acordo com informações da Polícia Civil do Distrito Federal, na madrugada da quarta-feira, 9, Lázaro teria assassinado uma família em Ceilândia. O empresário Cláudio Vidal de Oliveira, 48 anos, e os filhos dele, Carlos Eduardo Marques Vidal, 15, e Gustavo Marques Vidal, 21, foram encontrados mortos em uma chácara. A esposa de Vidal, Cleonice Marques, 43, foi sequestrada, e seu corpo foi encontrado na tarde de sábado em um córrego próximo.

O suspeito passou os dias seguintes cometendo crimes. Invadiu fazendas, baleou outras pessoas, roubou um carro, armas e munições. Já em Goiás, na última terça-feira, 15, Lázaro fez refém um casal e a filha de 16 anos. A família foi resgatada, mas durante as buscas dois policiais foram baleados de raspão e conduzidos para hospitais goianos com ferimentos leves.

A operação que contou com um efetivo de quase 300 perseguiu e fez cercos para localizar o criminoso. Lázaro tinha 32 anos e nasceu em Barra do Mendes, na Bahia. Seus primeiros assassinatos ocorreram quando ele ainda tinha 19 anos de idade. Sua ficha criminal inclui ainda estupros, roubo, latrocínio e porte ilegal de arma de fogo.