Félix pede criação da Embrapa Cacau para combater nova doença da lavoura

Coordenador da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Lavoura Cacaueira no Congresso Nacional, o deputado Félix Mendonça Júnior (PDT) apresentou um projeto de indicação ao governo federal que cria, dentro da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), uma unidade voltada para o cacau, a exemplo do que já existe em relação ao café.

Essa unidade na Embrapa absorveria a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac), incluindo os funcionários, laboratórios e equipamentos. “Como a Ceplac vem definhando governo a governo, essa é a única forma de tentarmos salvar todo o conhecimento acumulado pelos pesquisadores aqui na Bahia e também fortalecer novos estudos diante do aparecimento de uma nova e devastadora praga na lavoura, chamada de monilíase”, justificou o deputado.

Félix lembrou que a Embrapa tem orçamento e recursos para fortalecer pesquisas que visem estimular ainda mais a produção de cacau no sul e no oeste da Bahia. Por outro lado, como a nova unidade absorveria a Ceplac, não haveria maiores custos de implantação por parte do governo federal.

“Muito graças à Embrapa, o Brasil é uma potência no agronegócio. O cacau não pode ficar de fora disso, nós que, na década de 1980, já fomos os maiores produtores e exportadores do planeta e hoje ocupamos apenas a sétima posição em exportação. Podemos voltar a crescer associando pesquisa, inovação, assistência técnica e financiamento, sobretudo agora, com o crescimento da lavoura no oeste baiano”, ressaltou o pedetista.

*Chocolate* – Félix afirmou que a Embrapa Cacau também permitira que o Brasil aproveitasse melhor as oportunidades no mercado internacional geradas pelo aumento do consumo global de chocolate. Ele lembrou que o Brasil é certificado pela Organização Internacional do Cacau (ICCO) como exportador de cacau fino e de aroma, mas tem perdido espaço por falta de investimento em pesquisa, inovação e apoio à produção nacional.

“Na década de 1980, nossas safras ultrapassavam a marca de 400 mil toneladas, mas a vassoura-de-bruxa reduziu drasticamente nossa produção – a última safra resultou em 115 mil toneladas. Atualmente, temos que importar cacau para atender as necessidades da indústria nacional de chocolate. Com a Embrapa Cacau e uma política de Estado para o setor podemos retomar a autossuficiência e também a competitividade internacional”, concluiu.