Fabrício Queiroz assume ao MP as “rachadinhas” no gabinete de Flávio Bolsonaro

O ex-assessor parlamentar do então deputado federal Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz, assumiu aos promotores do Ministério Público, em depoimento por escrito, a existência do esquema de “rachadinhas”.

Entretanto, segundo Queiroz, o então chefe de gabinete e o agora senador não tiveram envolvimento com o crime. Segundo o Ministério Público do Rio de Janeiro, Queiroz “admitiu que havia um acordo pelo qual os assessores por ele indicados para ocupar cargos no Gabinete haveriam de lhe entregar parte de seus vencimentos”.

Queiroz frisou que a prática foi realizada sem consulta ou aprovação do deputado Flávio Bolsonaro “nem de seu Chefe de Gabinete, valendo-se da confiança e da autonomia que possuía”, segundo documentos obtidos pela CNN Brasil.

O depoimento do ex-assessor parlamentar do filho do presidente Jair Bolsonaro não convenceu a promotoria do Ministério Público, que considerou difícil a movimentação por mais de dez anos sem o conhecimento ou vantagem dos superiores, no caso o chefe do gabinete e o agora senador Flávio Bolsonaro.