Dirigente planeja propor adiamento das Olimpíadas por conta do coronavírus

Um membro do conselho executivo do comitê organizador dos Jogos de Tóquio disse nesta quarta-feira (11) que irá propor a possibilidade de adiar os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos, marcados inicialmente para julho e agosto deste ano, devido ao surto de coronavírus.

A ideia, conforme Haruyuki Takahashi relatou à agência Kyodo News, é apresentar essa proposta durante reunião do grupo no final deste mês. “Precisamos lidar [com o caso] com base na realidade. O tempo está se esgotando”, disse.

Na terça-feira (10), o Wall Street Journal informou que Takahashi declarou que seria mais realista adiar os Jogos por um ou dois anos, em vez de cancelar o evento por causa do surto.

“Eu não acho que os Jogos possam ser cancelados, seria um atraso. O Comitê Olímpico Internacional (COI) estaria em apuros se houvesse um cancelamento. Os direitos da TV americana por si só fornecem uma quantia enorme [de dinheiro]”, afirmou Takahashi.

Em resposta nesta quarta, o comitê organizador negou ter conhecimento sobre a sugestão de seu membro e reafirmou que a cerimônia de abertura da Olimpíada continua prevista para 24 de julho.

De acordo com o jornal americano, cerca 73% das receitas do COI são provenientes dos direitos de transmissão das competições.

Adiar o megaevento, algo que nunca ocorreu na sua edição moderna (desde 1896), vai contra o estabelecido na Carta Olímpica, documento que rege a atuação da entidade. Três edições dos Jogos de Verão já foram canceladas, todas em razão das Guerras Mundiais (1916, 1940 e 1944).

O contrato do COI com a cidade de Tóquio a princípio vale apenas para 2020. No último dia 3, a ministra da Olimpíada do governo japonês, Seiko Hashimoto, admitiu a possibilidade de adiamento caso os Jogos sejam realizados ainda neste ano. De acordo com ela, o contrato dos organizadores com o comitê prevê essa possibilidade.

“O COI tem o direito de cancelar os Jogos somente se eles não ocorrerem dentro de 2020. Isso pode ser interpretado como a possibilidade de os Jogos serem adiados, contanto que sejam realizados durante este ano”, disse a ministra. “Estamos fazendo tudo o que podemos para assegurar que os Jogos sigam como planejado”, completou.