Dia dos Namorados online: Casais criam estratégias para reduzir impacto do coronavírus no relacionamento

O ano de 2020 está sendo inédito em diversos aspectos. Obviamente, a maioria das mudanças não tem sido positiva. O isolamento social imposto para barrar o avanço do coronavírus também alterou uma das datas mais comerciais do ano, o Dia dos Namorados. Por causa das restrições, diversos casais irão celebrar separados.

A designer Laurellie Pacussich, 28 anos, e o analista de sistemas João Vitor Bastos, 30 anos, não se veem desde março. Ele ficou em Salvador e ela foi para o interior ficar com os pais. O casal teve algumas oportunidades para se encontrar, mas, para preservar a sua saúde e a de seus familiares, optou por acumular a saudade.

“Nos falamos diariamente. Da minha parte, tento viver um dia de cada vez para não ser consumida pela ansiedade de que não sei exatamente daqui quanto tempo o verei novamente. Lidar com a ausência física tem sido bem ruim. Somos muito do contato físico, do abraço, então faz bastante falta”, afirmou Laurellie.

João Vitor diz que é difícil não ter a previsão ou a possibilidade de ver a namorada e isso potencializa ainda mais a saudade. “O emocional sempre fica abalado. O que precisa ser feito é tentar reagir da melhor maneira possível, através do diálogo, mas imagino que funcione diferente pra cada casal. Além de minha namorada, ela é minha melhor amiga, o contato constante, mesmo distante, ajuda a manter a relação, sem cair num tipo de limbo. Demonstrações de afeto de ambos também ajudam bastante”, indicou o analista de sistemas.

Enquanto ele não tem planos para o Dia dos Namorados, pois estará longe da amada e acredita que a construção diária do relacionamento é mais importante do que comemorar alguma data em especial, Laurellie pretende comer alguns bolinhos para adoçar o dia, já que os irmãos dela também estarão longe de seus amores.

“Eu estava evitando pensar na data (risos). Acho que é um momento de muita exposição nas redes sociais e com certeza vai rolar aquela deprê de: só eu que não estou vendo meu namorado”, confessou a designer.

Profissional de saúde

A psicóloga Mônica Sampaio, 32, e o advogado Heitor Cunha, 32, namoram há pouco mais de um ano. O isolamento para eles tem acontecido de forma bastante diferente. Ela continua trabalhando intensamente fora de casa, inclusive atendendo pacientes com coronavírus. Já Heitor está trabalhando a maioria dos dias em home office. Até as compras ele tem feito através de aplicativos de entrega.

“A gente tem optado por não se ver porque, teoricamente, estou mais exposta ao risco de contágio. É muito difícil ter que lidar com essa possibilidade e a responsabilidade de contaminá-lo. Não tínhamos dimensão que esse isolamento iria se prolongar tanto. Diante dessa realidade muito peculiar, temos utilizado algumas estratégias. Esporadicamente vou ao prédio dele. Fico no carro, utilizamos máscaras e mantemos distância. É o tipo de contato que temos tido, além do virtual”, contou Mônica.

A ausência física tem sido bem delicada, pois o relacionamento entre namorados pressupõe o toque e o carinho, justamente o que deve ser evitado durante a pandemia, pois o corpo que se deseja pode estar contaminado.

“Apesar de acreditar no viés mercadológico de datas como o Dia dos Namorados, costumo comemorá-las. Não me incomodaria de passar longe dele se fosse apenas esse dia, mas o isolamento social tem se prolongado. Há mais de três meses os encontros não ocorrem. Fico triste de não estar fisicamente com ele. Tentamos driblar recorrendo à tecnologia. Neste Dia dos Namorados poderemos ver uma live, usar uma roupa diferente mesmo estando em casa”, descreveu a psicóloga.

Planos

Além da distância física, os dois casais têm outra coisa em comum: os planos para quando essa pandemia acabar. Laurellie e João Vitor terão “uma maratona de amor”. “A gente viajaria em abril, guardamos nossa graninha e o espaço no coração para essa viagem pra Chapada. Pretendemos ir até lá quando for seguro e não tiver chance de a gente estar levando vírus conosco. No mais, voltar a rotina de antes”, adiantou a designer.

Mônica ressalta que retomará o planejamento de viagens do casal, além de intensificar os encontros, as idas a barzinhos, cinema e outros lugares que agradam os pombinhos. “Agora é hora de se cuidar, de cuidar dos nossos entes e ter responsabilidade coletiva para passar por esse momento bem e ficarmos vivos. Depois, é tocar a vida em frente”, finalizou.

Bnews