Dia decisivo: líderes globais se reúnem para tentar frear guerra

Foto: Getty Images

A invasão russa da Ucrânia completa um mês nesta quinta-feira (24/3) com os principais líderes mundiais debruçados sobre um problema em comum: é preciso frear a guerra antes que seus efeitos se tornem ainda mais devastadores.

A tensão global tem atingido níveis estratosféricos com a falta de entendimento entre russos e ucranianos e a deterioração das relações político-diplomáticas envolvendo outras nações, como Estados Unidos, Rússia e China.

A quinta-feira tem intensa agenda internacional: haverá reunião da cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), do conselho da União Europeia e do G7 — grupo dos países mais ricos do mundo.

Os encontros debaterão a instabilidade geopolítica atual. Novas sanções contra a Rússia, o risco do uso de armas nucleares e o fortalecimento da defesa mundial são as principais pautas divulgadas até o momento.

O presidente dos EUA, Joe Biden (foto em destaque), participa dos encontros. A participação é simbólica e estratégica. Essa é a primeira visita de Biden ao continente após o início da guerra na Ucrânia, em 24 de fevereiro.

Figuras centrais na guerra, os presidentes Vladimir Putin, da Rússia, e Volodymyr Zelensky, da Ucrânia, adotam discursos cada vez mais difusos.

Os resultados da guerra já são sentidos em todo o mundo: crise do petróleo, risco para a segurança alimentar, e incertezas econômicas.

Metropoles