Estudo final comprova eficácia de 62,3% da Coronavac em intervalo maior de 21 dias entre as doses

Foi divulgado neste domingo (11) estudo feito pelo Instituto Butantan, que produz a vacina Coronavac em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac.

Segundo artigo científico encaminhado para revisão e publicação na revista científica Lancet, uma das mais respeitadas do mundo, a eficácia para casos sintomáticos de Covid-19 atingiu 50,7%, ante os 50,38% informados inicialmente. Ou seja, a vacina reduz pela metade os novos registros de contaminação em uma população vacinada.

Segundo o estudo encaminhando neste domingo, a eficácia da CoronaVac pode chegar a 62,3% com um intervalo de mais de 21 dias entre as duas doses da vacina.

(mais…)

Estudo aponta menor eficiência de vacina da Pfizer contra variante da África do Sul

Um estudo conduzido em Israel concluiu que a vacina contra a Covid-19 produzida pela Pfizer pode ter a eficiência reduzida contra a variante do coronavírus predominante na África do Sul.

O estudo, foi publicado ontem (10) e comparou quase 400 pessoas que haviam testado positivo para Covid-19, 14 dias ou mais após receberem uma ou duas doses da vacina, contra o mesmo número de pacientes não vacinados contra a doença.

Entre pacientes que haviam recebido duas doses da vacina, a taxa de prevalência da variante sul-africana foi oito vezes maior do que naqueles que não haviam sido vacinados –5,4% contra 0,7%. Diante dos dados, o estudo conclui que a vacina é menos eficaz contra a variante sul-africana, em comparação com o coronavírus original e a variante inicialmente identificada no Reino Unido. O próprio estudo, no entanto, aponta que contou com poucos pacientes infectados com a variante, que não é comum em Israel

Anvisa vai fazer inspeção em duas fábricas da Sputnik na Rússia

Após uma reunião com representantes do laboratório União Química e com o Fundo Russo, responsável pela vacina Sputnik V, realizada na sexta-feira (9/4), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou que enviará funcionários à Rússia para realizar inspeções nas fábricas responsáveis pela produção do imunizante que poderá vir para o Brasil.

De acordo com um comunicado divulgado pela Anvisa neste sábado (10/4), as inspeções serão feitas em duas fábricas diferentes. A primeira visita, programada para os dias 15 a 21 de abril, será feita por três servidores da Anvisa na empresa JSC Generium. O local é responsável pela produção do Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) e pela vacina finalizada.

Metropóles

Fabricantes de vacina contra Covid dizem que quebra de patente não resolveria o problema do Brasil

Fabricantes de vacina no país dizem que a quebra de patentes não seria a solução para aumentar a produção de vacinas contra a Covid-19 no Brasil. Para eles, o que falta é capacidade produtiva, e o mais importante seria investir na produção local.

As declarações foram dadas durante comissão da Covid-19 no Senado nesta quinta-feira (8). O projeto que tramita na Casa estabelece a quebra temporária de patente de vacinas de eficácia comprovada contra a Covid-19 enquanto vigorar o estado de emergência de saúde.

Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, disse que a quebra de patentes não ajudaria o país a ter acesso mais rápido às vacinas porque o problema está relacionado com a falta de capacidade produtiva do país. Outra preocupação é que a ação também daria o direito a quebrar a patente de possíveis imunizantes brasileiros. (mais…)

Vacinas podem exigir atualizações até que infecções diminuam, diz estudo

Um novo estudo, publicado este mês na revista Virus Evolution, e citado pela CTV News, coloca a hipótese de que as vacinas podem exigir atualizações até que as infeções diminuam.

Para chegar a esta conclusão, uma equipe de investigadores de um hospital alemão, Charite-Universitatsmedizin Berlin, examinou quatro coronavírus da constipação comum que infectam humanos pelo mesmo mecanismo utilizado pelo SARS-CoV-2 – através da proteína spike.

Os cientistas construíram uma árvore filogenética – um diagrama em forma de árvore que mostra o processo evolutivo de vários espécimes e espécies – que mostra o progresso evolutivo dos coronavírus. (mais…)

CoronaVac é eficaz contra variante brasileira da covid-19

A vacina CoronaVac, imunizante fabricado pelo Instituto Butantan e pela farmacêutica chinesa Sinovac, tem 50% de eficácia contra a variante P.1 da covid-19, que surgiu em Manaus e que já predomina em diversos estados do país. A efetividade em prevenir o adoecimento foi confirmada 14 dias após a aplicação da primeira dose.

O estudo foi feito com 67.718 trabalhadores da área da saúde de Manaus e foi divulgado hoje (7) pelo grupo Vebra Covid-19, que reúne pesquisadores de instituições nacionais e internacionais, secretarias estaduais de Saúde do Amazonas e de São Paulo e as secretarias municipais de Saúde de Manaus e São Paulo, apoiado pela Organização Pan-Americana de Saúde (Opas).

A pesquisa ainda não avaliou a efetividade após a aplicação da segunda dose, o que vai ser coletado agora, nas próximas semanas. “Na análise interina, a efetividade da CoronaVac foi de 50% na prevenção da doença sintomática pela covid-19”, diz o relatório do estudo preliminar. (mais…)

Vacina da Pfizer é eficaz contra variante sul-africana do coronavírus, apontam dados preliminares

A Pfizer anunciou que sua vacina contra a Covid-19, desenvolvida em parceria com a empresa alemã de biotecnologia BioNTech, é eficaz contra a variante do coronavírus primeiramente identificada na África do Sul (B.1.351).

Em um comunicado publicado nesta quinta-feira (1º), a empresa afirma que no braço sul-africano do estudo realizado com o imunizante foram registrados nove casos da Covid-19 com sintomas entre os 800 participantes –todos os registros da doença ocorreram no grupo do placebo (que não recebeu a vacina). Após um sequenciamento genético dos vírus que causaram essas infecções, os cientistas concluíram que seis deles eram da linhagem B.1.351, hoje predominante no país.

Os dados indicam uma proteção de 100% contra a variante, mas esses são números preliminares e a amostra é considerada pequena para permitir conclusões definitivas. (mais…)

Pessoas vacinadas com Moderna e Pfizer não transmitem o coronavirus

As vacinas da Moderna e da Pfizer contra a Covid-19 foram testadas e apresentaram resultados satisfatórios a respeito da carga viral dos imunizados.

As avaliações mostraram que pessoas já imunizadas não carregam o vírus e não podem propagar a doença, apresentando ainda um risco muito baixo de infecção. A afirmação vem como resultado de uma pesquisa conduzida pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, o CDC.

(mais…)


Pfizer diz que sua vacina contra covid é 100% eficaz para faixa de 12 a 15 anos

Pfizer anunciou nesta terça-feira, 31, que sua vacina contra a covid-19 desenvolvida junto à BioNTech é 100% eficaz para adolescentes de 12 a 15 anos. Por isso, os laboratórios, nas próximas semanas, vão solicitar à Agência de Alimentos e Drogas (FDA, na sigla em inglês) e à Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) autorização para uso do imunizante na faixa etária agora testada.

(mais…)

Covid-19: Agência Europeia anuncia atraso na vacina da Janssen

A  Agência Europeia do Medicamento (EMA) anunciou hoje que a entrega de vacinas da Janssen deverá sofrer um atraso. A informação foi divulgada, esta terça-feira (23), pela diretora da agência, Emer Cooke, que assegurou contudo que as vacinas estarão disponíveis nos últimas dias do mês, reporta o La Vanguardia.

Esta informação contradiz a que foi revelado pela responsável da Comissão Europeia, Sandra Gallina, que insiste que a data de entrega das doses da vacina da Johnson & Johnson seria em meados de abril. Vale lembrar que Bruxelas acredita que a vacina da J&J vai permitir acelerar os planos de vacinação, dado que só é necessária uma dose desta vacina para se conseguir imunidade contra o novo coronavírus.

Segundo previa o executivo europeu, a União Europeia devia receber 55 milhões de doses da vacina antes do fim de junho. Estas iriam se juntar aos 200 milhões de doses da vacina da Pfizer-BioNTech, aos 70 milhões da AstraZeneca e aos 35 milhões de Moderna.

Notícias ao Minuto

Coronavírus: Ministro da Justiça pede à Saúde prioridade na vacinação de policiais

O ministro da Justiça, André Mendonça, enviou ofício ao ministro da Saúde pedindo a inclusão das forças policiais entre as prioridades para a vacinação contra a Covid-19.

No ofício, Mendonça apresenta relatos do Colégio Nacional de Secretários de Segurança Pública ( Consesp) sobre a situação dos profissionais com o avanço da Covid-19.

Ele justifica que as medidas sanitárias para controle da pandemia, incluem, muitas vezes, “a realização de procedimentos pré-hospitalares de urgência realizados pelas forças policiais, somados ao transporte de enfermos entre estados e municípios”, devido a alta ocupação dos leitos em algumas localidades.

Novos testes elevam eficácia da vacina de Oxford para 79%

A vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela Oxford/AstraZeneca tem eficácia de 79% contra casos sintomáticos da doença. Foi o que mostraram novos testes conduzidos nos Estados Unidos, Chile e Peru. Com os dados atualizados, a empresa deve entrar com o pedido de autorização para uso emergencial no país norte-americano.

Ensaios clínicos de fase 3 conduzidos no Reino Unido, África do Sul e Brasil e com resultados publicados na revista científica The Lancet haviam apontado a eficácia da vacina de 70% contra casos sintomáticos do coronavírus.

Posteriormente, novos dados dos mesmos países indicaram que a vacina era eficaz contra a variante B.1.1.7, do Reino Unido, mas a eficácia era reduzida para a variante da África do Sul. No caso do Brasil, onde a nova variante P.1 surgiu em Manaus e já se espalhou por quase todas as regiões do país, a vacina se mostrou eficaz ao proteger contra essa nova cepa. (mais…)

Butantan entrega mais 1 milhão de doses da Coronavac ao governo federal

O Instituto Butantan entregou hoje (22) mais 1 milhão de doses da Coronavac, vacina contra a Covid-19, ao Ministério da Saúde. No total, o estabelecimento enviou ao governo federal, apenas em março, 12,1 milhões de doses do imunizante.

O lote de vacinas saiu da sede do Butantan às 8h20 em São Paulo e segue para ser distribuído aos outros estados. Até o final de abril, o órgão garante chegar ao total de 46 milhões de doses ao país.

O instituto está operando para acelerar a produção de doses para a entrega ao Programa Nacional de Imunizações (PNI). Para dar conta da demanda, o instituto dobrou o quadro de funcionários na linha de envase.

Metro 1

OMS investiga possíveis reações, mas ainda recomenda uso de vacina da AstraZeneca

Enquanto vários países europeus suspendem a distribuição da vacina contra o coronavírus da AstraZeneca, em meio a relatos de possíveis casos de coágulos sanguíneos após a imunização, a Organização Mundial da Saúde (OMS) informou nesta segunda-feira, 15, que monitora a situação, mas que, no momento, ainda recomenda o uso do produto.

Diretor-geral da entidade, Tedros Adhanom Ghebreyesus afirmou que o comitê de assessores de segurança está investigando os dados relativos ao profilático. Para ele, o maior problema na atualidade segue sendo a falta de acesso a vacinas. Tedros saudou o compromisso do grupo Quad, formado por Estados Unidos, Austrália, Japão e Índia, de fornecer 1 bilhão de doses a países da região do pacífico. “Nenhum país poderá se livrar da pandemia sozinho. Precisamos agir juntos”, disse.

Vice-diretora da Organização, Mariângela Simão reiterou que peritos vão se reunir amanhã para tratar da vacina da AstraZeneca e explicou que aguarda eventuais novas notificações de coágulos após a vacinação, mas que os dados preliminares indicam que essa conexão não existe. Segundo ela, a OMS trabalha diretamente com Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) na avaliação do quadro. “No momento, benefícios de vacinas se sobrepõem aos riscos”, reforçou. (mais…)

Compra de 37 milhões de doses da Sputnik V é formalizada por governadores do Nordeste

O consórcio formado por governadores do Nordeste formalizou a compra de 37 milhões de doses da vacina russa Sputnik V. A informação foi divulgada ontem (13) pelo presidente do consórcio Wellington Dias (PT), governador do Piauí. As vacinas vão integrar o Plano Nacional de Imunização (PNI), e serão distribuídas a todos os estados brasileiros. Por isso, o anúncio foi feito com o Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, para que a pasta seja intermediária na aquisição das doses e para que as vacinas.

Anteriormente, a previsão era comprar 39 milhões de doses, mas durante a formalização do contrato o Fundo Soberano Russo informou que poderá produzir, nesta primeira compra, 37 milhões. As informações são da secretaria de comunicação do governo do Piauí. O imunizante produzido pelo laboratório Russo ainda não teve aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que, por enquanto, apenas autorizou o uso das vacinas Oxford-AstraZeneca-Fiocruz e Coronavac.

“Comunicamos o fechamento do contrato e tratamos com o Ministério da Saúde os termos para que a gente mantenha um regramento em que se tenha vacina para todo o Brasil e assim foi acertado com a procuradoria dos estados, equipe jurídica do Ministério e advocacia geral da união para que até segunda-feira [15] o Ministério entre como interveniente e garanta que as 37 milhões de doses a partir de abril serão para todo o Brasil”, declarou Dias.