Atlantic Nickel finaliza embarque para China e ultrapassa 91 mil toneladas exportadas em 2021

 

A Atlantic Nickel, empresa que produz e exporta níquel sulfetado, matéria-prima fundamental utilizada na produção de baterias para veículos elétricos, acaba de ultrapassar a marca de 91,3 mil toneladas do minério exportadas, até agora, neste ano de 2021, através do Porto de Ilhéus, região sul da Bahia. Toda a carga do concentrado de níquel sai da unidade de produção da empresa, a Mina Santa Rita, sediada no município baiano de Itagibá, a apenas 140km de distância do terminal marítimo, por onde o carregamento é embarcado em direção ao mercado internacional da eletrificação.

O destino do embarque mais recente, finalizado na última semana, foi a China, país no continente asiático que recebeu, através do Porto de Xingang, uma remessa de 10.771,69 toneladas de concentrado de níquel 100% baiano e de alta qualidade. Este é o nono embarque realizado pela Atlantic Nickel, alcançando um resultado parcial anual expressivo de exatamente 91.339,4 toneladas comercializadas, patamar superior ao total alcançado em 2020, que chegou a 67,7 mil toneladas direcionadas ao mercado exterior.

Por meio de uma operação que prioriza segurança, eficiência e sustentabilidade, o minério extraído pela Atlantic Nickel possui relevantes teores de cobre e cobalto, o que aumenta o valor agregado de venda. A companhia é uma das maiores minas de níquel sulfetado a céu aberto do mundo e a única deste segmento em operação no Brasil.

Para além da franca expansão de produção e comercialização do níquel, o sucesso do negócio está diretamente ligado aos esforços permanentes de conservação da natureza, uma vez que além de exportar o minério para ajudar o mundo a dispor de fontes de energia limpa, a Atlantic Nickel mantém o propósito de preservar o meio ambiente e respeitar a comunidade a que pertence.

Ascom

Falta de material e custos impactam a indústria da construção, aponta pesquisa

Foto: Pixabay

Pelo quinto trimestre consecutivo, a falta de material da construção e o aumento dos custos continuam sendo os principais problemas da indústria da construção, segundo a pesquisa Sondagem Indústria da Construção, realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) com o apoio da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), divulgada nesta segunda-feira (25). Os dois itens foram citados por 54,2% dos empresários entrevistados.

Apesar de continuar preocupando os empresários, a pesquisa mostra que houve uma pequena redução em relação ao trimestre anterior, quando 55,5% dos entrevistados manifestaram preocupação com a falta de materiais.

Os números também mostram que houve um aumento da preocupação do empresariado com a elevação da taxa de juros, ganhando força na passagem do segundo para o terceiro trimestre deste ano. Enquanto no segundo trimestre menos de 10% dos empresários manifestaram preocupação com os juros, no terceiro trimestre esse número aumentou para 16%.

De acordo com a CBIC, a alta pode ser comprovada pelo Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) para materiais e equipamentos, que acumulou, nos últimos 12 meses encerrados em setembro, alta de 30,24%, um recorde para o período, na era pós-real.

“Os insumos que mais influenciaram esse aumento, segundo o INCC, foram os vergalhões e arames de aço ao carbono, os tubos e conexões de ferro e aço e os tubos e conexões de PVC. A alta de custos é o principal problema da indústria, na visão dos empresários”, informou a CBIC.

Os números mostram ainda que mesmo com a falta de materiais e o aumento dos juros, há uma expectativa do segmento de que o Produto Interno Bruto (PIB) do setor suba para 5% neste terceiro trimestre, o que seria o maior crescimento dos últimos 10 anos. A alta é puxada pela melhora no nível de atividade da construção, que voltou a ficar positivo em setembro, com 50,5 pontos, após apresentar pequeno recuo em agosto.

A melhora das atividades da construção no terceiro trimestre, o incremento do financiamento imobiliário, a demanda consistente, o avanço do processo de vacinação, a desaceleração do aumento de preços dos materiais de construção, mesmo que modesta, e a continuidade de pequenas obras e reformas são algumas das razões que ajudam a justificar a projeção atual.

Outro indicador que favorece a expectativa é o do mercado de trabalho formal da construção, que registra resultados positivos nos oito primeiros meses do ano. Nesse período, a construção civil gerou 237.985 novos postos de trabalho com carteira assinada.

Com o resultado, o setor fechou agosto com 2,512 milhões de trabalhadores com carteira assinada. Esse número não era atingido desde novembro de 2015. Os dados também mostram que a Utilização da Capacidade Operacional (UCO) encerrou o mês de setembro em 65%, valor que é superior a sua média histórica, de 62%.

Contudo, o crescimento de 5%, aguardado pelo segmento este ano, não indica recuperação do seu pico de atividades. Mesmo crescendo cerca de 5% este ano, o seu patamar de atividades ainda está baixo, diz o CBIC. Para que o setor da construção volte ao pico de atividades, registrado em 2014, ele precisa manter o crescimento de 5% ao ano até 2028. Se a expansão média ficar no patamar de 3% ao ano, a recuperação do nível máximo de atividades ficará para 2033.

Na avaliação do presidente da CBIC, José Carlos Martins, os números mostram que o setor poderia ter um crescimento maior, não fosse a falta de materiais e os aumentos das taxas de juros.

“Os números apresentados comprovam que a indústria da construção é realmente uma Ferrari com freio puxado. Estamos andando bem, mas poderíamos andar muito mais. Difícil achar outro setor que sofreu uma inflação como o nosso, e o tanto que esse fator inibiu nossa capacidade de contribuir com o crescimento do PIB”, disse. Luciano Nascimento / Bahia.ba

Petrobras anuncia novo aumento nos preços da gasolina e do diesel

Foto: Pixabay

A Petrobras vai reajustar mais uma vez os preços da gasolina e do diesel para as distribuidoras. Segundo comunicado divulgado nesta segunda-feira (25) pela petroleira, os novos valores passam a vigorar a partir de terça (26).

A alta já havia sido antecipada no domingo pelo presidente Jair Bolsonaro. Durante um evento em Brasília, ele afirmou que “infelizmente, pelos números do preço do petróleo lá fora e do dólar aqui dentro nos próximos dias, a partir de amanhã, infelizmente teremos reajuste do combustível”.

Com a alta, o preço médio de venda da gasolina passará de R$ 2,98 para R$ 3,19 por litro, um reajuste médio de R$ 0,21 por litro (alta de 7,04%). É o segundo reajuste no preço do combustível este mês. No último dia 9, a gasolina já havia subido 7,2%.

Já o litro do diesel A passará de R$ 3,06 para R$ 3,34 por litro, refletindo reajuste médio de R$ 0,28 por litro (alta de 9,15%). A última alta do combustível havia sido em 28 de setembro, de 8,89%.

Petróleo e dólar em patamares mais elevados
A explicação para o aumentos dos preços dos combustíveis está em vários fatores, mas, principalmente, no valor do petróleo e no câmbio.

O dólar e a cotação do petróleo vêm tendo mais influência sobre os preços de combustíveis no Brasil desde 2016, quando a Petrobras passou a praticar o Preço de Paridade Internacional (PPI), que se orienta pelas flutuações do mercado internacional.

Na semana passada, o preço do barril de petróleo Brent – referência internacional – fechou acima em US$ 85,53, perto das máximas desde o final de 2018. No começo do ano, o preço médio estava abaixo de US$ 65.

Já o dólar atingiu R$ 5,6282, acumulando alta de mais de 3% na semana.

Segundo a Petrobras, o alinhamento de preços ao mercado internacional “se mostra especialmente relevante no momento que vivenciamos, com a demanda atípica recebida pela Petrobras para o mês de novembro de 2021”.

Parcela da Petrobras
Com os novos valores, a parcela da Petrobras no valor do litro de gasolina pago pelos consumidores nos postos passará a ser de R$ 2,33, em média.

Já no caso do diesel, a parcela da estatal será de R$ 3,34.

G1

Mineradora da África do Sul está em negociações para adquirir a Atlantic Nickel

A mineradora sediada na África do Sul Sibanye – Stillwater confirmou importantes negociações nesta segunda-feira (25), sem divulgar a avaliação em discussão, depois que o The Wall Street Journal informou que elas estavam ocorrendo.

Ela está em negociações para adquirir  a Atlantic Nickel, que opera a mina de Santa Rita, em Itagibá, uma das maiores minas de sulfeto de níquel a céu aberto do mundo, e a Mineração Vale Verde, que está desenvolvendo uma mina de cobre e ouro.

O acordo deve ser anunciado nos próximos dias, supondo que o negócio não seja inviabilizado, disseram pessoas a par do assunto.

(mais…)

Distribuidores alertam para o risco de faltar combustível nos postos em novembro

Foto: Agência Brasil

Os distribuidores de combustíveis estão preocupados com uma possível falta de gasolina a partir do mês de novembro a partir do mês de novembro.

De acordo com os abastecedores, a falta pode acontecer devido ao corte de cotas de produção da Petrobras. A Associação das Distribuidoras de Combustíveis (Brasilcom) chegou a emitir uma nota sobre o assunto.

Segundo o presidente do Sindicom-DF, Paulo Tavares, a situação é “gravíssima”. “Pode, realmente, faltar produto”, disse em entrevista ao Blog do Vicente, na última sexta-feira (15).

(mais…)

Carcaça temperada, pé de galinha, pescoço e outros cortes de terceira também ficaram mais caros

Família cozinha ossos — Foto: Reprodução / Fantástico

A alta dos preços da carne refletiu nos valores dos cortes de segunda e de terceira. Açougues relatam que carcaça temperada, pé de galinha e pescoço, entre outras partes de boi, vaca e porco, tiveram um aumento de procura e também encareceram.

Não há dados nacionais sobre esses cortes. Em São Paulo, o pescoço de frango teve elevação 15,79% no preço em setembro na comparação dos 12 meses, segundo a consultoria Safras e Mercados.

A carcaça temperada de frango subiu 45%, o dorso, 60%. Entre os suínos, a maior alta foi no espinhaço (23,91%), que é a “coluna” do porco, e na orelha (20%).

Nas lojas de São Paulo, Minas, Mato Grosso, Goiás, Espírito Santo, Rio de Janeiro, todos confirmaram que essas carnes foram mais vendidas por conta da crise”, diz o cofundador da Rede Mais Açougues, Diego Moscato. O pé de frango lidera, com um crescimento de 26% no consumo.

(mais…)

Petrobras anuncia aumento de 7,2% nos preços da gasolina e do gás de cozinha

Foto: Pexels

A Petrobras anunciou, nesta sexta-feira (8), mais um aumento nos preços da gasolina e do gás de cozinha em suas refinarias, que agora avança 7,2%. Na semana passada, a estatal aumentou o preço do diesel em 8,9%, no primeiro reajuste depois de 85 dias.Este não será reajustado com as atuais alterações.

Reportagem da Folha destaca que, segundo a estatal, o litro da gasolina vendida por suas refinarias passará de R$ 2,78 para R$ 2,98, um reajuste médio de R$ 0,20. Em nota, a empresa destacou que é o primeiro aumento em 58 dias.

Já o quilo do gás de cozinha passará de R$ 3,60 para R$ 3,86, alta de R$ 0,26. Assim, os 13 quilos necessários para encher um botijão custarão na refinaria o equivalente a R$ 50,15.

(mais…)

Limite de transferência do Pix passa a ser de mil reais a partir desta segunda-feira

Foto:Marcello Casal/ Agência Brasil

O Banco Central criou um pacote de novas regras para garantir mais segurança nas transações por meio do Pix. A principal delas, que é o limite de transferência de valor no período da noite, vale a partir desta segunda (4). As demais vão entrar em vigor no dia 16 de novembro.

O limite estabelecido para transferência é de R$ 1.000, no horário das 20h às 6h. A regra é para as transações entre pessoas físicas, incluindo os MEIs (microempreededores individuais).

(mais…)

Petrobras elevará preço do diesel nas refinarias em quase 9% a partir desta quarta

Foto: Divulgação/Petrobras

A Petrobras elevará o preço do diesel nas refinarias em quase 9% a partir de quarta-feira (29), após 85 dias de estabilidade. Em nota, a estatal informou que o resjuste é importante para garantir o abastecimento do combustível no país. Com o aumento, o valor médio do diesel vendido pela companhia a distribuidoras passará de R$ 2,81 para R$ 3,06 por litro, refletindo reajuste médio de R$ 0,25 por litro.

O repasse do aumento para as bombas, nos postos, depende de uma série de questões, como margens de distribuidoras e revendedoras, misturas de biodiesel, assim como tributos.

O aumento já era esperado. Na última segunda (27), o diretor-executivo de Comercialização e Logística da empresa, Cláudio Mastella, havia dito que a empresa poderia aumentar os preços. Segundo o executivo, os valores praticados até então estavam defasados ante o mercado internacional.

Metro1

Sem carro zero no mercado, preço de usados sobe até 20% e vendas disparam

Reprodução: Shutterstock

As negociações de carros usados tiveram um boom neste ano, ocupando espaço dos modelos novos que sumiram das lojas em razão da falta de chip para a produção. Com demanda em alta, há uma escalada de preços que não se via desde o Plano Cruzado (nos anos 1980). Há modelos com valorização de mais de 20% em um ano. Num mercado normal, o automóvel perde entre 15% a 20% do seu valor após um ano de uso.

Embora o segmento também já registre falta de produtos, as vendas até agosto são recordes, com 7,59 milhões de automóveis e comerciais leves. O número é 48,8% superior ao de 2020, um dos anos mais fracos para o setor por causa da pandemia, mas também 6,6% acima dos 7,12 milhões de usados vendidos em igual período de 2019, até então o melhor resultado da história, segundo a Fenabrave, que representa as concessionárias.

A relação entre a venda de carros usados e novos também está no ponto máximo da série histórica realizada desde julho de 2004 pelo Bradesco, que trabalha com dados dessazonalizados. Para cada automóvel zero vendido no ano, foram comercializados 6,5 usados. O maior nível anterior tinha sido verificado na crise de 2015 e 2016, quando ficou em 5,5. (mais…)

Ovo vira prato principal dos brasileiros por causa do aumento de preços

Foto: Freepik

Oito em cada dez brasileiros cortaram itens da alimentação este ano, por causa da alta de preços na tentativa de driblar a inflação e o ovo virou o prato da vez. Com a alta da carne bovina, e até do frango, nem os peixes escaparam.

“Comprei peixe ali agora, uma quantidade pequena, cerca de 800g, por 50 reais realmente, muito caro”, disse Jaqueline Peixoto, nutricionista.

O jeito é substituir pelo o que pesa menos no bolso e o ovo que vem ganhando espaço na mesa dos brasileiros. “A feira virou nosso refúgio, todo sábado estou aqui sem falta. Até o preço do ovo na feira é muito mais barato. Ovo de qualidade, não é aquele pequenininho não”, contou Carlos Monteiro Filho, fisioterapeuta.

(mais…)

Município baiano tem o 2º maior valor gerado com produção agrícola no país

Os crescimentos da produção e do valor gerado pela soja afetaram positivamente o desempenho das cidades agrícolas do Oeste da Bahia. Entre 2019 e 2020, Formosa do Rio Preto e São Desidério estiveram entre os três municípios brasileiros com os maiores avanços absolutos no valor da produção agrícola, segundo a pesquisa da Produção Agrícola Municipal (PAM), do IBGE, divulgada nesta quarta-feira (22).

Nesse período, o valor da agricultura de Formosa do Rio Preto cresceu 78,3%, passando de R$ 2,1 bilhões para R$ 3,7 bilhões. O aumento absoluto, de R$ 1,6 bilhão, foi o 2º maior entre os municípios do país, atrás apenas do verificado em Maracaju/MS, onde o valor da produção agrícola avançou R$ 1,7 bilhão frente a 2019.

Já São Desidério apresentou o 3º maior avanço absoluto do valor agrícola no período, de R$ 3,2 bilhões em 2019 para R$ 4,6 bilhões em 2021, um aumento de R$ 1,4 bilhão (+44,6%). (mais…)

Comida, gasolina, gás, conta de luz. Por que tudo está tão caro no Brasil?

Em algumas regiões do país gasolina já está sendo vendida a 7 reais / Foto: Getty images

Comida, gasolina, a conta de luz. Tudo está mais caro no Brasil.

Em agosto, mais uma vez, a inflação oficial do país veio acima do esperado. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo, o IPCA, medido pelo IBGE, acelerou para 9,68% no acumulado em 12 meses, levando a uma onda de revisões entre os economistas.

Na segunda-feira (13), o Boletim Focus do Banco Central, que colhe estimativas entre dezenas de consultorias e instituições financeiras, registrou a 23ª alta consecutiva da mediana das projeções para o IPCA no fim de 2021, que agora está em 8%.

(mais…)

Preço da gasolina sobe pela sexta semana consecutiva; postos chegam a vender a 7,18

Foto: Pixabay

O preço médio da gasolina subiu pela 6ª semana nos postos do país, de acordo com levantamento realizado pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

O preço médio da gasolina na semana encerrada no dia 11 de setembro subiu para R$ 6,059 por litro, contra R$ 6,007 por litro na semana anterior, o que representa uma alta de 0,86%.

Nos 4.434 postos pesquisados pela ANP, o preço máximo chegou a R$ 7,185 o litro e, o mínimo, foi de R$ 5,15.

(mais…)

Câmara Federal debate nesta terça feira nova praga que ameaça o cacau

Por solicitação da deputada Lídice da Mata, a Câmara Federal debate amanhã o controle de pragas da lavoura de cacau, tido como assunto de emergência devido à descoberta de um foco recente de uma doença potencialmente devastadora.

A audiência pública com o tema ‘controle fitossanitário da monilíase do cacaueiro’ terá transmissão ao vivo pelo site da casa legislativa, a partir das 14h, interessando a produtores de 83 municípios baianos, representados por prefeitos e secretários.

A praga foi descoberta no município de Cruzeiro do Sul, no interior do Acre, e confirmada por análise realizada pelo Laboratório Federal de Defesa Agropecuária de Goiânia.

– O foco detectado se encontra ainda distante das principais regiões produtoras, mas devido ao seu potencial de danos às culturas, é de fundamental importância que sejam executadas ações de monitoramento e notificação imediata de quaisquer suspeitas de ocorrência da praga nas demais regiões do País às autoridades fitossanitárias – afirmou a deputada Lídice da Mata.

(mais…)