Estudo aponta que Sars-CoV-2 pode ficar no organismo por mais tempo que a quarentena

Foto: Reprodução / Freepik
A infecção por Sars-CoV-2 pode ficar no organismo por mais tempo que a quarentena, segundo um estudo realizado por pesquisadores da Plataforma Científica Pasteur-USP (PCPU), apoiado pela Fapesp e publicado na revista Frontiers in Medicine.

Segundo o Viva Bem, do Uol, um homem de 38 anos apresentou durante 20 dias sintomas leves de Covid-19 e permaneceu por mais 232 dias com o novo coronavírus sendo detectado no organismo. O caso atípico da infecção faz parte de um grupo de 38 pacientes acompanhados semanalmente, no início da pandemia, pelos especialistas.

O estudo é um alerta sobre os riscos de liberar pacientes com Covid-19 após sete ou 14 dias do teste positivo, como previam os protocolos iniciais. (mais…)

Bahia completa 13 dias sem dados de casos da Covid-19, após ataque hacker a sistema do MS

Reprodução: Freepik

Os sistemas e bancos de dados do Ministério da Saúde completam, nesta quarta-feira (22), 13 dias fora do ar. Por isso, no boletim epidemiológico divulgado diariamente pela Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab) não consta o número de casos da Covid-19. O ConecteSus e o site da pasta nacional foram vítimas de um ataque hacker no dia 10 de dezembro e, desde então, as informações do governo federal não foram restabelecidas.

O boletim da Sesab tem sido divulgado de forma adapatada. De acordo com as informações do último, publicado às 17h desta quarta, foram registradas oito mortes pelo coronavírus nas últimas 24h na Bahia.

A secretaria ressalta que os dados podem sofrer alterações devido à instabilidade do sistema do MS. “A base ministerial tem, eventualmente, disponibilizado informações inconsistentes ou incompletas”, diz o comunicado.

Covid-19: Carregamento com mais de um milhão de doses da Pfizer desembarca no Brasil

Reprodução: Agência Brasil

Um carregamento com mais 1,5 milhão de doses do imunizante da Pfizer contra a Covid-19 desembarcou, nesta segunda-feira (6), no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas. A chegada das vacinas foi anunciada pelo Ministério da Saúde. De acordo com o órgão, a distribuição será feita de maneira proporcional e igualitária, depois de acordo entre União, estados e municípios.

Ainda de acordo com o governo federal, e conforme divulgou a Agência Brasil, nos últimos cinco dias, o país recebeu mais de 10 milhões de doses da Pfizer. No total, mais de 310 milhões de doses foram aplicadas em todo o país. Dessas, cerca de 153 milhões são Pfizer. O contrato em andamento com a farmacêutica prevê a entrega de mais 100 milhões de doses.

AstraZeneca diz que eficácia de medicamento contra Covid-19 supera 80%

Reprodução: Pixabay

A farmacêutica AstraZeneca anunciou, em comunicado oficial nesta quinta-feira (18), que seu anticorpo monoclonal AZD7442 foi capaz de reduzir o risco de Covid-19 sintomática e também o de desenvolvimento de quadro severo e morte. Anticorpos monoclonais são, resumidamente, proteínas desenhadas para atacar especificamente um alvo.

A empresa apresentou dados, ainda não revisados por pares, de dois estudos randomizados, duplo-cegos e com grupo controle. Em um deles, destinado a observar o potencial de profilaxia de exposição da droga biológica, foram recrutados mais de 5.000 adultos tidos como com risco aumentado de contrair Covid ou com risco de respostas inadequadas à imunização, como pessoas com câncer em tratamento de quimioterapia, pacientes em diálise e quem toma medicamentos imunossupressores.

Segundo a AstraZeneca, mais de 75% dos participantes desse estudo têm comorbidades que os colocam em alto risco de Covid grave, caso se contaminem. (mais…)

Covid-19: Novo medicamento reduz mortes de doentes hospitalizados

Reprodução: Shutterstock

A dexametasona revelou-se eficaz no tratamento de doentes hospitalizados com Covid-19, segundo um novo estudo, divulgado esta semana na conferência anual da Sociedade para a Endocrinologia do Reino Unido, em Edimburgo.

Numa amostra com mais de duas mil pessoas no Reino Unido (889 doentes da primeira vaga da pandemia no país e que não foram tratados com dexametasona e 1372 pessoas que foram tratadas com dexametasona na segunda vaga), este fármaco reduziu o risco de admissão em unidades de cuidados intensivos e de morte em 56%, de acordo com a equipe de investigadores do Imperial College de Londres.

Compararam-se 889 doentes da primeira vaga da pandemia da covid-19 no Reino Unido (entre Março e Abril de 2020) e que não foram tratados com dexametasona com 1372 pessoas que foram tratadas com esse medicamento na segunda vaga no país (entre Novembro de 2020 e Janeiro de 2021). (mais…)

OMS diz que aguarda dados do estudo sobre comprimido da farmacêutica MSD contra Covid-19

Reprodução: Pixabay

Um dia após a farmacêutica MSD (empresa que nos EUA e no Canadá se chama Merck, Sharp & Dohme Corp) anunciar o envio do pedido de uso emergencial do molnupiravir, aquele que pode ser o primeiro remédio em pílulas para tratar a Covid-19, à agência reguladora norte-americana (FDA), a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou em coletiva de imprensa que aguarda o recebimento dos dados dos testes clínicos da droga para análise.

“Realmente, é um progresso interessante. Nós teríamos que ver todos os dados do estudo. Se for verdade, essa vai ser uma outra arma na luta contra a pandemia da Covid-19″, declarou o porta-voz da organização, Christian Lindmeier, em uma coletiva de imprensa realizada em Genebra nesta terça-feira, 12.

A droga antiviral é estudada como alternativa para tratar casos leves e moderados da doença que têm risco de se desenvolver para versões mais graves, causando hospitalização ou morte. A pesquisa em torno do medicamento foi feita pela Universidade Emory, em Atlanta, e a administração dada durante a fase de testes foi de quatro pílulas duas vezes ao dia por cinco dias seguidos. (mais…)

Sintomas pós-Covid afetam 80% dos pacientes com comorbidades por até 4 meses

Reprodução: Pixabay

Uma pesquisa da USP em 175 pacientes com comorbidades e que tiveram Covid-19 apontou que em 80% dos casos os sintomas pós-doença permanecem por até quatro meses após o início da fase mais aguda da infecção. Segundo o estudo, os sintomas mais comuns observados foram fadiga, fraqueza, dor de cabeça, falta de ar, tosse, esquecimento e perda de memória.

Os dados foram apresentados pelos pesquisadores na sexta edição da Conferência Internacional de Prevenção e Controle de Infecções, em Genebra, na Suíça.

Os 175 pacientes que participaram do estudo têm média de idade de 53 anos e Índice de Massa Corporal (IMC) médio de 31,7, o que já configura obesidade, de acordo com os pesquisadores. Além disso, as pessoas tinham hipertensão e diabete. Alguns pacientes também relataram que já foram fumantes.

Bahia tem 10 ou menos mortes por dia em razão da Covid-19 nos últimos quinze dias

Com os novos sete óbitos em decorrência da Covid-19, registrados neste sábado (9), a Bahia mantém o número entre dez ou menos mortes por 15 dias seguidos. Ao todo, desde o início da pandemia, 26.916 tiveram óbito confirmado por conta da infecção.

O boletim da secretaria de saúde da Bahia aponta também que o estado registou 375 novos casos da doença. O estado também possui 2.649 casos ativos, com 1.207.905 já sendo considerados recuperados. Com 10.302.032 vacinados contra o coronavírus (Covid-19) com a primeira dose ou dose única, a Bahia já vacinou 80,9% da população com 12 anos ou mais, estimada em 12.732.254.

 

Fiocruz aponta maior queda do ano em número de casos e óbitos por Covid

O número de casos e de óbitos no Brasil por Covid teve a maior queda desde o início de 2021, segundo o Boletim do Observatório Covid-19 Fiocruz, divulgado nesta sexta-feira (17).

Esta é a 12ª semanas consecutiva de diminuição do número de mortes, com redução de 3,8% ao dia na última Semana Epidemiológica. O total de casos também apresenta tendência de redução, mas com oscilações ao longo das últimas 12 semanas. Foi registrada uma média de 15,9 mil casos e 460 óbitos diários no período de 5 a 11 de setembro.

No boletim, no entanto, os pesquisadores reforçam que apesar da queda acentuada, a pandemia ainda não acabou e cuidados devem ser mantidos.

Taxa de transmissão da Covid no Brasil é a menor desde novembro de 2020

Reprodução: Agência Brasil

A taxa de transmissão (Rt) do coronavírus no Brasil caiu para 0,81, menor índice desde novembro de 2020, quando estava em 0,68. A informação é do levantamento do Imperial College de Londres, divulgado nesta terça-feira (14).

O índice confirma a tendência de queda registrada nas duas semanas anteriores: 0,99 em 24 de agosto e 0,92 no dia 7 de setembro.

O Rt atual significa que cada 100 pessoas contaminadas transmitem a doença para outras 81 pessoas. Quando fica abaixo de 1, a taxa de contágio indica tendência de estabilização.

Bahia mantém número de casos ativos abaixo dos 3 mil e ocupação de UTI fica em 30%

A Bahia manteve o número de casos ativos da Covid-19 abaixo dos 3 mil, até este domingo (12). Ao todo, ainda seguem infectados com o novo coronavírus, 2.298 pessoas. Já a ocupação de leitos de UTI do estado está 30%, com 270 pessoas internadas e 22% de ocupação dos leitos de enfermaria.

Ao todo, o estado registrou desde o início da pandemia 26.637 óbitos em razão da Covid-19, com um total de 1.225.697 infectados. A Bahia já possui mais de 90% da população vacinada com a primeira dose: 9.082.803 imunizados. Completamente imunizados estão 4.493.912 baianos.

Covid-19: mais de 1 milhão de adolescentes já foram vacinados

Um balanço divulgado hoje (28) pelo Ministério da Saúde aponta que, até este sábado, mais de um milhão de doses de vacina contra a covid-19 foram aplicadas nos adolescentes entre 12 e 17 anos. Com o avanço da vacinação em adultos no Brasil, estados e municípios já começaram a imunizar o público dessa faixa etária. A informação é da Agência Brasil.

A orientação da pasta é que a imunização dos adolescentes só seja iniciada depois que as cidades aplicarem a primeira dose em toda a população adulta.

Outra recomendação é que os municípios apliquem a vacina da Pfizer, pois esse é o único imunizante com aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para vacinar esse público.

Covid-19: Taxa de ocupação das UTIs cai novamente na Bahia e chega a 37%

Reprodução: GOVBA

A ocupação das unidades de terapia intensiva (UTIs) reservadas para adultos com Covid-19 voltou a cair na Bahia, nesta quarta-feira (18), de acordo com o boletim epidemiológico da Secretaria de Saúde do Estado (Sesab). A taxa recuou de 38% para 37% nas últimas 24 horas, alcançando o menor percentual registrado desde quando o governo baiano passou a publicar o dado, em 29 de abril de 2020.

O número de casos ativos do novo coronavírus oscilou positivamente nesta quarta, saindo de 3.641 para 3.654 no período equivalente a um dia. Os municípios baianos com mais contaminados, no momento, são Salvador (477), Itabuna (207), Vitória da Conquista (134), Guanambi (107), Barreiras (78), Lauro de Freitas (69), Eunápolis (62), Porto Seguro (60), Luís Eduardo Magalhães (50) e Anagé (43).

Também nas últimas 24 horas, o estado confirmou 953 novas contaminações pelo novo coronavírus e 21 mortes em decorrência da infecção. No total, desde o início da pandemia, a Bahia já registrou 1.211.625 casos confirmados da Covid-19 e 26.199 óbitos pela doença.

Mortes por Covid-19 de pessoas vacinadas são raras, diz especialista

Foto: Pixabay

A morte do ator Tarcísio Meira na última quinta-feira (12), por complicações da Covid-19, reacendeu o debate sobre a eficácia da vacinação para controlar a pandemia. Aos 85 anos, o ator estava completamente imunizado desde abril, quando tomou a segunda dose da CoronaVac. O episódio gerou nova onda de desinformação nas redes sociais, com falsas narrativas de que “não adianta tomar vacina”. Especialistas, no entanto, reforçam a defesa da imunização em massa como a principal estratégia para que o país saia da crise sanitária. A informação é da Agência Brasil.

“Nenhuma vacina disponível no Brasil, a da Pfizer, a Janssen, AstraZeneca ou a CoronaVac asseguram 100% de proteção. As pessoas continuam precisando de cuidados, como uso de máscara e distanciamento social. Mas a efetividade das vacinas é indiscutível. Basta ver que nos países com vacinação avançada, como Israel e Inglaterra, mesmo com aumento de casos por causa da variante Delta, o número de internações e mortes são proporcionalmente muito menores, resultado direto da imunização”, diz a médica Isabella Ballalai, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).

Um estudo recente da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Estadual Paulista (Unesp) avaliou o efeito das vacinas contra o coronavírus na população brasileira e concluiu que 91,49% das pessoas que morreram pela infecção, entre maio e julho deste ano, não tinham tomado vacina ou não estavam totalmente vacinadas com as duas doses ou dose única, no caso do imunizante da Janssen.

Anvisa autoriza farmacêutica a realizar estudo fase 3 de medicamento contra covid

A farmacêutica Biomm informou, em fato relevante na segunda-feira, 2, que recebeu autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para iniciar o estudo clínico de fase 3 do anticorpo monoclonal leronlimab no Brasil contra a covid-19. De acordo com o CEO da companhia, Heraldo Marchezini, os testes ajudam a esclarecer as informações necessárias para encontrar uma nova alternativa no tratamento da covid-19 em pacientes internados.

A investigação será realizada em 35 centros de pesquisa com 612 pacientes que se encontram hospitalizados e com necessidade de suporte para oxigenação. O objetivo do medicamento, segundo a farmacêutica, é impedir que a doença evolua para um caso mais grave, com necessidade de ventilação mecânica invasiva. O leronlimab age para prevenir uma resposta excessiva do sistema imunológico de pacientes infectados com o novo coronavírus, reduzindo a superprodução de citocinas inflamatórias, também conhecidas como “tempestade de citocinas”. “Esta tempestade inflamatória, que agrava a condição clínica significativamente, pode, muitas vezes, levar o paciente a óbito”, declara a Biomm.

O ensaio clínico será conduzido pela Academic Research Organization (ARO) do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE), em colaboração com a CytoDyn, empresa americana responsável pelo desenvolvimento do medicamento, e a Biomm, parceira exclusiva para a comercialização do leronlimab no Brasil.