Pessoas que tiveram covid-19 podem doar sangue após 30 dias

Pessoas que contraíram covid-19 podem doar sangue, se respeitarem um período mínimo após a melhora completa de sintomas. Para que estejam habilitadas a doar, é necessário que aguardem 30 dias depois que todos os indicativos da doença tenham desaparecido, conforme explica a médica hemoterapeuta Roberta Fachini, do Hospital Sírio-Libanês.

Em entrevista concedida à Agência Brasil, a profissional destacou que, até o momento, não houve evidências científicas de que o Sars-CoV-2 possa ser transmitido através de transfusões de sangue. Mesmo assim, ressalta, os bancos de sangue e hemocentros têm tido cautela em relação ao assunto, como prevenção.

“Felizmente, esse vírus, apesar de ser detectado, por exames de biologia molecular, também na corrente sanguínea, não existe nenhuma comprovação científica de que essa quantidade de vírus seja capaz de infectar um paciente pela via transfusional. Mas, de qualquer forma, o critério de 30 dias após plena recuperação dos sintomas tem sido bastante aceito, é o praticado mundialmente, como critério de segurança adicional”, afirma. (mais…)


Pfizer diz ter enviado à Anvisa dados de testes de vacina contra a Covid-19

A farmacêutica Pfizer anunciou, nesta quarta-feira (25), que enviou à Agência Nacional de Vigilância (Anvisa) dados de testes da BNT162b2, sua candidata à vacina contra a Covid-19. De acordo com o G1, representantes da companhia participaram de reunião com a agência nesta quarta e deram entrada nesta etapa inicial do processo.

A remessa dos primeiros documentos é o início do “processo de submissão contínua”, previsto pela agência federal para acelerar o recebimento de dados dos fabricantes que desenvolvem possíveis vacinas contra o novo coronavírus.

“Esse é um importante passo para que o imunizante esteja disponível no Brasil. A Pfizer disponibilizará todos os dados necessários para avaliação e estará em total colaboração com a ANVISA para que esse processo transcorra da melhor maneira e o mais rapidamente possível”, afirmou, em nota, Márjori Dulcine, diretora médica da Pfizer Brasil.

BN

Vacina russa contra Covid-19 teve eficácia ‘acima de 95%’ após segunda dose

A vacina russa Sputnik V contra a Covid-19, demonstrou eficácia “acima de 95%” 21 dias após a segunda dose da vacina e 42 dias após a primeira dose. As informações sobre o imunizante foram divulgadas nesta terça-feira (24) por autoridades do país, de acordo com reportagem do G1. A vacina Sputnik V foi desenvolvida pelo Instituto Gamaleya. Os dados ainda são preliminares e não foram publicados em revista científica.

A Rússia foi o primeiro país a registrar uma vacina para a Covid-19, ainda no mês de agosto. Dúvidas e questionamentos foram levantados na ocasião na comunidade científica, por causa da fase três dos testes e da vacinação me massa, lembra o G1.

Dados divulgados anteriormente pelo país indicavam que a Sputinik V apresentava eficácia de 92% um dia após a aplicação da segunda dose (e 21 dias após a aplicação da primeira dose).

Butantan anuncia que testes da CoronaVac chegaram à fase final

Chegou à fase final o estudo clínico da CoronaVac, a vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com biofarmacêutica Sinovac Life Science. De acordo com informações do governo de São Paulo e do Instituto Butantan, os resultados sairão na primeira semana de dezembro e a previsão é a de que, até janeiro de 2021, 46 milhões de doses estejam disponíveis no Brasil.

Os resultados serão enviados pelo Comitê Internacional independente na primeira semana de dezembro para que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) analise o relatório para verificação da vacina. Os testes no Brasil estão sendo coordenados desde julho pelo Butantan em 16 centros de pesquisa científica espalhados em sete estados brasileiros e no Distrito Federal, com 13 mil voluntários envolvidos. Na última semana, o primeiro lote com 120 mil doses chegou a São Paulo.

Na última terça-feira (17), os resultados da fase anterior de estudos clínicos da CoronaVac foram publicados pela revista científica Lancet, uma das mais importantes do mundo. A publicação mostrou que a vacina é segura e tem capacidade de produzir resposta imune no organismo 28 dias após sua aplicação em 97% dos casos. (mais…)

Fiocruz prevê fabricação de 130 milhões de doses da vacina de Oxford em 2021

O vice-presidente de produção e inovação em Saúde da Fiocruz, Márcio Krieger, afirmou, nesta segunda-feira (23), que a previsão da fundação é vacinar 65 milhões de pessoas no primeiro semestre de 2021 e outras 65 milhões no segundo, considerando 2 doses para cada pessoa.

A Fiocruz tem um acordo de transferência de tecnologia com a AstraZeneca, farmacêutica que desenvolve uma vacina em parceria com a Universidade de Oxford, para a produção das vacinas em solo brasileiro.

Resultados de estudos preliminares da fase 3, divulgados nesta segunda-feira (23), mostrou eficácia de até 90% conforme a dosagem. Os dados ainda não foram revisados por outros cientistas nem publicados em revista científica. (mais…)

Prazo de validade pode levar governo federal a descartar 6,8 mi de testes da Covid-19

Um lote de 6,86 milhões de testes para o diagnóstico do novo coronavírus comprados pelo Ministério da Saúde perde a validade entre dezembro deste ano e janeiro de 2021, o que pode ocasionar o descarte do material.

De acordo com reportagem no Estadão, os exames do tipo RT-PCR estão estocados num armazém do governo federal em Guarulhos e, até este domingo (22), não foram distribuídos para a rede pública.

Desde março, o SUS aplicou cinco milhões de testes deste tipo. Nesta comparação, o Brasil pode acabar jogando fora mais exames do que já realizou durante a pandemia. (mais…)

Seis capitais têm mais de 80% de lotação de UTIs para Covid-19

A ocupação de leitos de UTI para pacientes graves da Covid-19 no país voltou a preocupar especialmente nas três capitais do sul do país, que, no início da pandemia registravam relativo controle da doença, e em Vitória, no Espírito Santo.

Também voltaram a subir as internações em Manaus, cidade cujas imagens de enterros em série nas valas coletivas rodaram o mundo.

Em ao menos seis capitais (Vitória, Florianópolis, Porto Alegre, Curitiba, Manaus e Rio de Janeiro), a ocupação de leitos de UTI estaduais chega ou supera 80%, segundo levantamento da Folha de S. Paulo com prefeituras e governos estaduais. E o número pode ser maior, já que Recife e Macapá, por exemplo, não informaram dados, mas seus estados apresentam taxas elevadas de lotação, de mais de 70% – e leitos de UTIs tendem a se concentrar a maioria nas capitais. (mais…)

Covid-19: Pfizer prevê rápida implantação de vacina na América Latina

A farmacêutica norte-americana Pfizer espera lançar rapidamente sua vacina experimental contra a Covid-19 na América Latina, segundo afirmou um executivo sênior. A expectativa é que isso aconteça logo após a empresa conseguir a autorização de emergência nos Estados Unidos, o que pode ocorrer já no próximo mês.

Em entrevista à agência Reuters, Alejandro Cané, chefe de assuntos científicos e médicos da divisão de vacinas da Pfizer para a América do Norte, afirmou que “a América Latina e outras partes do mundo deveriam ter um “cronograma semelhante” ao dos Estados Unidos”. “Estamos confiantes de que nas próximas semanas ou meses teremos a vacina em uso não só nos EUA e na Europa, mas também em países da América Latina.”, declarou Cané.

Na última quarta-feira (18), a farmacêutica concluiu os testes da fase 3 da sua vacina contra a Covid-19 no Brasil e divulgou que os resultados mostram eficácia de 95% na prevenção à doença, sem efeitos colaterais graves.

Metro 1


Anvisa suspende pesquisa sobre tratamento da covid-19 com plasma

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu uma pesquisa de tratamento para a covid-19 que utiliza plasma sanguíneo extraído de cordões umbilicais e placentas humanas. O motivo da suspensão foi um evento adverso grave que não teve os detalhes divulgados.

Os testes vinham sendo realizados pelo Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo.

O plasma, que é a matéria-prima do estudo, é a parte líquida do sangueonde são encontradas células como hemácias e glóbulos brancos, além de nutrientes. (mais…)

Covid-19: enxaguantes bucais matam coronavírus em 30 segundos em laboratório, indica pesquisa

Enxaguantes bucais podem matar o coronavírus em 30 segundos, revela um novo estudo realizado em cima de testes de laboratório. Embora a pesquisa sugira que o uso do produto pode ajudar a matar o vírus na saliva, não há evidências de que ele possa ser usado como um tratamento para o coronavírus, uma vez que não alcança o trato respiratório ou os pulmões.

Cientistas da Universidade de Cardiff, no Reino Unido, descobriram que havia “sinais promissores” de que os bochechos com enxaguante buscal poderiam ajudar a destruir o vírus.

A descoberta ocorre antes de um ensaio clínico sobre covid-19 em pacientes do Hospital Universitário do País de Gales. Nick Claydon, especialista em periodontologia, disse que o estudo pode fazer com que o enxaguante bucal se torne uma parte importante da rotina das pessoas.

BBC

Primeiro lote da Coronavac chega a SP na quinta-feira com 120 mil doses, diz Doria

A expectativa do governo de São Paulo é de que o Instituto Butantan receba o primeiro lote da vacina chinesa contra a Covid-19, Coronavac, nesta quinta-feira (19), um dia antes do prazo. A informação foi divulgada pelo governador João Doria (PSDB), durante entrevista a uma rádio pernambucana.

A Coronavac foi desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac, e no Brasil será produzida pelo Instituo Butantan, em São Paulo.

“Ela [a vacina] virá em lotes, pronta do laboratório Sinovac, e depois nós produziremos aqui, no próprio Butantan, para os brasileiros de São Paulo e brasileiros de todo o país, isso se o Ministério da Saúde entender, como deveria, que a vacina é para todos. Aliás, essa é a nossa defesa”, afirmou Doria ao programa Passando a Limpo. (mais…)


Governo não permitirá Réveillon e Carnaval sem vacina, diz Rui

O Governo do Estado não irá permitir a realização de eventos de grande porte como o Réveillon e o Carnaval sem que haja a existência de uma vacina contra o coronavírus, de acordo com o governador Rui Costa. Em coletiva de imprensa na manhã desta quarta-feira, 18, quando questionado sobre o anúncio de possíveis festas pelo estado o governador foi categórico em afirmar que não permitirá qualquer aglomeração sem o imunizante.

“Qualquer festa com aglomeração, tipo Réveillon e Carnaval, só será realizada se tiver vacina. Se não tiver, o estado não vai permitir. Não haverá participação e nem consentimento nosso”, afirmou o governador que rejeitou ainda qualquer ligação do seu posicionamento com a manifestada pela esfera municipal, e pelo novo prefeito eleito Bruno Reis (DEM), de realizar a festa de forma conjunta com outros polos do Carnaval como Rio de Janeiro e São Paulo.

“A minha postura não era pré ou pós eleitoral, minha postura é pela vida das pessoas. Não mudarei a minha forma de encarar a pandemia porque passou a eleição. Então não haverá eventos grandiosos no Estado da Bahia enquanto não houver vacina, nós não vamos brincar com isso. Voltou a morrer gente na Europa, em São Paulo os hospitais estão lotados. Não podemos brincar com a vida alheia. As ações continuam no mesmo formato. Minha postura é pela vida humana”, pontuou.

Vacina da Pfizer contra Covid-19 deve ser vendida com preço reduzido no Brasil

O laboratório Pfizer anunciou que países com menor capacidade econômica terão acesso à sua futura vacina contra a Covid-19 por preços mais baixos, o que pode ter impacto sobre nos valores para o governo brasileiro.

De acordo com a empresa, a diferença de precificação “ajuda a garantir a equidade de modo que todo os países possam ter acesso à nossa vacina”.

Segundo informações da agência Reuters, haverá três preços diferentes para a vacina: um para países desenvolvidos, outro para os países em desenvolvimento, como é o caso do Brasil, e um terceiro para países mais pobres. A Pfizer afirma ainda que está em contato com o governo brasileiro para futura possível compra de sua vacina, caso tenham êxito no desenvolvimento. Na análise preliminar da fase 3 de testes, a vacina apresentou mais de 90% de eficácia.

Metro 1

Anvisa vai à China inspecionar fábricas da vacina de Oxford e da Coronavac

Uma equipe técnica da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvida) embarca nesta sexta-feira (13) para a China com o objetivo de inspecionar as fábricas da Sinovac, responsável pela vacina Coronavac contra a Covid-19, e a Wuxi Biologics, que produzirá parte da vacina de Oxford.

Serão avaliadas as condições das fábricas para emitir um certificado de boas práticas. Sem o aval os imunizantes não conseguirão ser registrados e comercializados no Brasil.

“O processo de certificação de boas práticas de fabricação é um ato técnico complexo, que envolve desde a verificação das instalações e dos equipamentos e a qualificação dos colaboradores até a garantia da qualidade e a avaliação de risco de cada etapa produtiva para a liberação final do insumo farmacêutico e do produto acabado”, explica, em nota, a Anvisa. (mais…)

Voluntário da CoronaVac morreu por intoxicação, aponta laudo do IML

Um laudo divulgado hoje (12) pelo Instituto Médico Legal (IML) aponta que a causa da morte do voluntário da vacina CoronaVac, contra a Covid-19, foi uma intoxicação por agentes químicos externos, segundo informações da Globo News.

No sangue da vítima foi detectada a presença de opioides, sedativos e álcool, o que confirma os indícios de uma morte por suicídio ou overdose, divulgados na última terça-feira (10).

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) havia suspendido os testes da vacina chinesa, produzida pelo laboratório Sinovac, após o “evento adverso grave”. A decisão, no entanto, causou polêmica. O Ministério Público chegou a solicitar que o Tribunal de Contas da União (TCU) avalie se houve alguma interferência ideológica na suspenão da Anvisa.