Advogados suspeitos de golpe milionário contra plano de saúde são presos

Quatro advogados foram presos, na manhã de segunda-feira (10), durante uma operação para desarticular uma quadrilha suspeita de aplicar um golpe milionário contra uma empresa de plano de saúde.

A ação é comandada por agentes da Delegacia de Petrópolis, na Região Serrana do Rio, e promotores do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Rio de Janeiro. Os mandados são cumpridos na capital fluminense e também no Distrito Federal e nos estados da Bahia e de Minas Gerais.

Até as 6h45, já tinham sido presos os advogados Edilson Figueiredo de Souza, em Brasília, Darcy José Royer, em Uberlândia, Minas Gerais, e Daniel Angelo de Paula, em Salvador, na Bahia. Márcio Duarte de Miranda já está preso desde novembro por um esquema de venda de sentença no Tribunal de Justiça da Bahia, na chamada operação Faroeste.

Nos endereços onde os suspeitos foram presos a polícia encontrou muitas jóias e artigos de luxo. Entre 2012 e 2019 eles movimentaram R$ 400 milhões em suas contas bancárias.

No Rio de Janeiro, os agentes fizeram busca na casa de Edilson de Souza, localizada em um condomínio de luxo no Recreio dos Bandeirantes, mas ele não foi encontrado. O suspeito foi encontrado por policiais em Brasília.

Em Salvador, a polícia prendeu o advogado Daniel Ângelo de Paula, de 42 anos. Depoimentos prestados por diretores da Unimed de Petrópolis no inquérito revelaram que ele se apresentava como próximo do ex-ministro Geddel Vieira Lima, titular da Secretaria de Governo de Michel Temer.

Quebras de sigilo bancário e fiscal na investigação confirmaram a ligação entre Daniel e Geddel. A defesa do ex-ministro foi procurada, mas ainda não foi localizada para comentar as suspeitas.

Os presos são suspeitos de estelionato, falsificação de documentos, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

A Justiça concedeu o bloqueio de bens e sequestro dos valores nas contas bancárias dos suspeitos.

Os agentes também tentam cumprir mandados contra outro advogado. De acordo com as investigações, um dos golpes praticados pelo grupo causou um prejuízo de R$ 17,6 milhões à Unimed de Petrópolis.

O golpe consistia em vender para empresas créditos da Receita Federal, que na verdade, não existiam. Os dados falsos eram inseridos no sistema e enganavam empresários.

As investigações apontam que as irregularidades foram praticadas entre setembro de 2012 e abril de 2017.

No caso do prejuízo à Unimed, os advogados primeiro fingiram vender um para o outro a cessão do crédito, depois ofereceram os documentos para a cooperativa.

G1