Ipiaú: Vereador Lucas de Vavá solicita implantação de Casa de Apoio à Saúde em Salvador

O imóvel irá atender os munícipes que precisarem de hospedagem para tratamentos de saúde e assistência social.
O imóvel irá atender os munícipes que precisarem de hospedagem para tratamentos de saúde e assistência social.

Na manhã desta segunda-feira (05), o Vereador Lucas Louzado, o Lucas de Vavá, protocolou no gabinete da prefeita municipal, um ofício requerendo a implantação na cidade de Salvador, de uma Casa de Apoio à Saúde, para os pacientes e acompanhantes que necessitam se deslocar até a capital em busca de atendimento médico e social.

Um imóvel com esta finalidade já esteve em funcionamento em Salvador quando da gestão do ex-prefeito José Mendonça, porém, desde o final da sua gestão o programa foi desativado, conforme informações do vereador Lucas.

Para que se ofereça uma estrutura digna, a Casa de Apoio à Saúde deverá ser totalmente equipada com mobiliários e outros utensílios que possibilitam maior conforto e mais dignidade para os usuários. Este será um importante equipamento público para oferecer abrigo e assistência a adultos e crianças em condições de vulnerabilidade socioeconômica e o apoio consiste em acolher os pacientes temporariamente, principalmente os que precisam de tratamento fora do domicilio ou aqueles com agendamento de consultas, exames e cirurgias em todas as especialidades na capital.

Casas de apoio acolhem acompanhantes de pessoas em tratamento hospitalar
Casas de apoio acolhem acompanhantes de pessoas em tratamento hospitalar.

As residências são uma solução solidária para quem vai do interior acompanhar parentes em tratamento pelo SUS na capital.

Salvador é destino para muitas pessoas que precisam realizar exames de saúde e tratar doenças. Vans de diversas cidades do Estado levam diariamente pacientes para a realização de atendimentos pelo SUS na capital.

Na maioria dos casos, estes pacientes vêm acompanhados de seus familiares. Porém, quando há necessidade de internação, os acompanhantes não conseguem retornar para casa e, por conta disso, dormem no próprio hospital, em cadeiras e bancos ou camas improvisadas pelos corredores. Algumas destas pessoas chegam ao hospital com nada além da roupa do corpo e pequena quantia de dinheiro que, por não ser suficiente para pagar hospedagem e alimentação, fazem do hospital sua moradia.

ASCOM Ver. Lucas de Vavá