Bolsa Família: Gandu e mais sete cidades tiveram benefícios bloqueados


07ivan-valentebolsa-familiagoverno-de-alagoasdiv

Mais de 2.400 pessoas tiveram o Bolsa Família bloqueado ou cancelado nas cidades de Gandu, Wenceslau Guimarães, Teolândia, Presidente Tancredo Neves, Piraí do Norte, Nova Ibiá, Itamarí e Apuarema, após um cruzamento de dados apontar irregularidades no recebimento do benefício do governo federal. A Bahia é o segundo estado em número de cancelamentos e de bloqueios no programa. Mais de 220 mil tiveram o Bolsa Família bloqueado ou cancelado.

De acordo com relatório da Controladoria-Geral da União (CGU) e do Ministério da Transparência, divulgado na quinta-feira (4), o estado teve 170 mil cancelamentos e 55 mil bloqueios do benefício. Em todo o país, foram encontradas inconsistências cadastrais nos dados de 2,5 milhões de famílias.

Pelas regras do Ministério do Desenvolvimento Social, tem direito ao Bolsa Família quem tem renda mensal familiar de até R$ 170 por mês. As pessoas que ganham entre R$ 170 e R$ 440 tiveram o benefício bloqueado. Já os que ganham acima de R$ 440 tiveram o benefício cancelado.

Em números exatos o município de Presidente Tancredo Neves foi o que mais teve benefícios bloqueados. Ao todo, foram contabilizados 579. Outros 143 foram cancelados.

Logo em seguida vem Gandu, com 384 bloqueios e 122 cancelamentos. Wenceslau Guimarães teve 149 cancelamentos e 351 bloqueios; Teolândia 58 cancelamentos e 136 bloqueios; Piraí do Norte 19 cancelamento e 82 bloqueios; Nova Ibiá teve 25 cancelamentos e 66 bloqueios; Itamarí somou 46 cancelamentos e 119 bloqueios, e por fim, Apuarema contabilizou 40 cancelamentos e 113 bloqueios.

Diário Paralelo